Chanceleres da China e Vaticano se reúnem na Alemanha

O Vaticano e Pequim iniciaram uma aproximação bilateral após um acordo firmado em 2018 sobre a nomeação de bispos na China.

Os ministros das Relações Exteriores da China e do Vaticano, que não mantêm relações diplomáticas formais, realizaram uma reunião incomum em Munique, na Alemanha, informou neste sábado o órgão oficial do Partido Comunista da China (PCC).

O chinês Wang Yi e o arcebispo Paul Gallagher se encontraram à margem de uma conferência sobre segurança e defesa, em um contexto de aproximação bilateral após um acordo firmado em 2018 sobre a nomeação de bispos na China.

O Diário do Povo indicou que Gallagher e Wang conversaram sobre os esforços da China para combater o novo COVID-19 e observaram que era o primeiro encontro entre as duas partes.

Já o site oficial do Vaticano, o Vatican News, citou um comunicado dizendo que a reunião, realizada durante a Conferência de Segurança de Munique, se concentrou no acordo de 2018.

Os dois lados concordaram "em continuar o diálogo institucional em nível bilateral para promover a vida da Igreja Católica e o bem do povo chinês", afirmou o Vatican News.

Os cerca de 12 milhões de católicos chineses se dividiram por décadas entre uma associação liderada pelo governo, cujo clero foi eleito pelo partido comunista, e uma igreja clandestina não oficial e leal ao Vaticano.

Mas, segundo com os termos do acordo frimado em setembro de 2018, Pequim e o Vaticano agora participam da nomeação de bispos católicos.