Chanceleres impulsionam integração de Mercosul com Aliança do Pacífico

O chanceler chileno anuncia a concessão de asilo aos venezuelanos

Os chanceleres do Mercosul e da Aliança do Pacífico impulsionaram nesta sexta-feira em Buenos Aires o processo de integração econômica entre ambos os blocos, disseram os ministros de Argentina e Chile, que exercem as respectivas presidências pro tempore.

"É um rito importante na integração latino-americana. Nos comprometemos a continuar avançando em um momento em que reina a incerteza em nível internacional e em que se observam pressões protecionistas, nacionalistas e até mesmo xenófobas", disse o chanceler chileno, Heraldo Muñoz.

Em uma entrevista coletiva no Palácio San Martín (sede da chancelaria argentina), Muñoz afirmou que os dos blocos estão "dando um sinal de apoio ao multilateralismo, a um sistema aberto de comércio sustentado em regras".

Do encontro participaram ainda os chanceleres de Uruguai, Paraguai e Brasil pelo Mercosul, presidido pela Argentina, e de Colômbia, México e Peru pela Aliança do Pacífico, presidida pelo Chile.

Os chanceleres rascunharam um plano de trabalho para avançar nas negociações sobre facilitação do comércio, cooperação alfandegária, cooperação comercial das pequenas e médias empresas, barreiras não tarifárias e facilitação de comércio e serviços, entre outros pontos.

Os dois ministros negaram que essa aproximação implique em um recuo da União de Nações Sul-Americanas (Unasul);

"Não se trata de liquidar a Unasul", disse Muñoz.