Chapa de Serginho é derrotada e Toroca é eleito presidente da CBV por mais quatro anos

Carol Knoploch
·2 minuto de leitura

Walter Pitombo Laranjeiras, o Toroca, presidente da CBV desde 2013, continuará no cargo. Ao lado da chapa Tradição, Ética e Inovação, ele venceu a eleição da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) com 151 votos contra 96 da chapa de oposição Renova Vôlei. A eleição contou com a votação de jogadores, representantes das federações e clubes, além de medalhistas olímpicos. Pela primeira vez, desde 1975, a eleição da CBV teve uma chapa de oposição.

Segundo relatos, os atletas estaduais foram muito pressionados — um deles recebeu ameaça de demissão da esposa, que trabalhava em uma federação. Eleito, Toroca não apareceu para a votação e comandou tudo de casa através de um painel. Ele comentou sobre a importância de trabalhar em busca do desenvolvimento da modalidade.

“Hoje foi um dia histórico para o voleibol brasileiro e é pelo bem desse esporte que tanto amamos que comemoramos o resultado dessa eleição que contou com votos de todo o país. Foi um resultado democrático e agora vamos seguir trabalhando pelo desenvolvimento cada vez maior da nossa modalidade”, enfatizou Toroca.

Eleito vice-presidente, Radamés Lattari comemorou a vitória e comentou sobre os objetivos para o mandato.

“A CBV foi a primeira confederação a incluir os atletas e os clubes no seu colégio eleitoral. Tudo foi feito de forma transparente e o que aconteceu hoje foi acertado em uma assembleia há um ano. Todos sabiam quem poderia votar. Estamos felizes com o resultado e a partir de amanhã todos temos que trabalhar juntos pelo voleibol brasileiro. Nenhum esporte é tão vitorioso quanto o nosso. A outra chapa também fez um belo trabalho e, com todas as diferenças, temos que somar pelo nosso esporte”, disse Radamés Lattari.

Derrotados, Tulio Teixeira, vice-presidente da Federação Mineira de Vôlei, e candidato a presidente e Sérgio Escadinha, ex-líbero da seleção brasileira, prometeram que a renovação vai continuar.

"Vamos manter nossas posições digitais e seguir fiscalizando todos movimentos da CBV e das Federações. Temos um compromisso com o Vôlei brasileiro. Não vamos abandoná-lo e nem abandonar os atletas que votaram conosco.", disse o candidato derrotado Marco Túlio, lembrando que a eleição segue sub-judíce.

Antes da votação, A Chapa do Túlio protocolou um pedido de impugnação da chapa porque o Toroca está concorrendo ao terceiro mandato o que fere a Lei Pelé. Até que este pedido seja analisado pela justiça, o pleito está sub-júdice.