Chape vence, amplia ressaca do Palmeiras e põe São Paulo na zona

Fellipe Lucena
1 / 8

'Revés não afeta Corinthians, devido a resultados da rodada', diz matemático

Tristão Garcia aponta que concorrentes diretos pelo título brasileiro 'contribuíram' para manter o Timão como favorito. Especialistas veem rivais 'jogando toalha cedo demais'

A ressaca do Palmeiras continua. Neste domingo, em um Allianz Parque gelado, chuvoso e menos cheio que o habitual (21 mil pagantes), o time de Cuca teve atuação sonolenta e perdeu por 2 a 0 para a Chapecoense, gols de Fabrício Bruno e Túlio de Melo.

Foi o primeiro jogo do Verdão em casa após a eliminação na Libertadores. A torcida apoiou enquanto a bola rolou, mas reclamou no intervalo (quando o primeiro gol da Chape já havia saído) e nos acréscimos, depois do segundo gol: "Muito dinheiro para pouca obrigação", "time sem vergonha" e "time medíocre" foram os gritos ouvidos no estádio alviverde.

Ironicamente, o maior prejudicado pelo resultado acabou sendo o São Paulo, que voltou para a zona do rebaixamento ao ser ultrapassado pela Chapecoense e é justamente o próximo adversário do Palmeiras, domingo que vem, no Allianz Parque.

A Chape saiu do 17º para o 15º lugar, com 25 pontos (dois a mais que o São Paulo) e ainda com um jogo a menos. Esta partida atrasada será disputada na quarta-feira, contra o Corinthians, na Arena Condá.

A vitória tranquiliza o time de Vinicius Eutrópio, que nas últimas duas semanas foi jogar amistosos na Espanha, na França e no Japão, em uma maratona que terminou na quinta, após viagem de 27 horas.

O Palmeiras também vinha sufocado, com uma série de decisões, mas desta vez teve uma semana inteira para se preparar. Não adiantou: outro jogo ruim, com gol sofrido em uma bola parada e pouquíssima lucidez ofensiva. Moisés e Guerra formaram a dupla de meias que a torcida tanto queria ver, mas pouco trabalharam juntos. Faltou efetividade.

A Chape jogou recuada, “por uma bola”, e ela apareceu ao 38 minutos do primeiro tempo: foi quando Fabrício Bruno apareceu incrivelmente livre para marcar após uma falta cobrada por Apodi. Mas houve outras bolas, como um chute de Penilla, na etapa inicial, e um de Apodi, já no fim, ambos defendidos por Prass.

Keno, que substituiu Róger Guedes no intervalo, teve a primeira grande chance do Palmeiras aos oito minutos do segundo tempo. Era um gol quase imperdível, mas ele perdeu... Deyverson, de cabeça, parou em Jandrei aos 43 minutos. Borja, que substituiu Willian, chutou sem direção no lance seguinte. Foram os últimos suspiros do Verdão antes de Túlio de Melo aproveitar passe de Wellington Paulista e ampliar.

O Verdão somou só um dos últimos nove pontos disputados no Brasileirão e já não tem mais folga no quarto lugar: o Flamengo, quinto colocado, está um ponto atrás (33 a 32).

FICHA TÉCNICA
PALMEIRAS 0 X 2 CHAPECOENSE

Local: Allianz Parque, em São Paulo (SP)
Data/Hora: 20/8/2017 (domingo), às 19h
Árbitro: Dyorgines Jose Padovani de Andrade (ES)
Assistentes: Fabiano da Silva Ramires (ES) e Vanderson Antonio Zanotti (ES)
Renda e público: 21.261 pessoas / R$1.071.429,69
Cartões amarelos: Moisés (PAL); Reinaldo, Moisés Ribeiro, Roberto e Grolli (CHA)
Cartões vermelhos: -
Gols: Fabrício Bruno 38' 1ºT (0-1) e Túlio de Melo 49' 2ºT (0-2)

PALMEIRAS: Fernando Prass; Jean, Edu Dracena, Luan e Michel Bastos; Thiago Santos (Tchê Tchê - intervalo), Moisés e Alejandro Guerra; Róger Guedes (Keno - intervalo), Deyverson e Willian (Borja 24' 2ºT) Técnico: Cuca

CHAPECOENSE: Jandrei; Apodi, Douglas Grolli, Fabrício Bruno e Reinaldo (Roberto 28' 2ºT); Moisés Ribeiro, Lucas Mineiro e Luiz Antonio; Penilla (Júlio César 20' 2ºT), Túlio de Melo e Arthur (Wellington Paulista - intervalo).
Técnico: Vinícius Eutrópio
































E MAIS: