Charles III, defensor de todas as religiões no Reino Unido 'pluriconfessional'

Em um ambiente silencioso, cerca de dez muçulmanos de todas as idades esperam para assinar um livro de condolências pela rainha Elizabeth II durante uma cerimônia pluriconfessional organizada na grande mesquita Baitul Futuh, no sul de Londres.

Algumas crianças correm entre os adultos, mas o ambiente é de respeito.

"Sou um muçulmano de primeira geração neste país" e "aqui podemos praticar nossa fé sob a proteção de nossa" monarca, disse Danial Saeed, de 19 anos.

No Reino Unido, o rei não é apenas chefe da Igreja Anglicana, mas também "defensor da fé".

Este título se dirigia originalmente ao cristianismo, mas Charles III, proclamado rei no sábado, já havia dito que, ao assumir o trono, defenderia todas as religiões no Reino Unido, que se tornou muito mais multicultural durante o reinado de sua mãe.

"Nossa lealdade ao rei" será "tão forte como a que mostramos à rainha"", afirma Rafiq Hayat, presidente da comunidade muçulmana britânica Ahamdiyya, no ato que inclui uma oração.

"Vivemos em um país onde a liberdade de religião é real. (...) Tanto o monarca quanto o governo perpetuam essa liberdade de expressão, de crença", disse mais tarde à AFP.

No reinado de 70 anos de Elizabeth II "vimos como nossa sociedade se tornar multicultural e pluriconfessional", disse Charles III em seu primeiro discurso como rei em 9 de setembro, um dia após a morte de sua mãe.

- Recepção em Buckingham -

Nesta sexta-feira, o monarca receberia no Palácio de Buckingham representantes das principais religiões do Reino Unido.

A monarquia britânica tem suas raízes no cristianismo. Este caráter religioso está fortemente representado na cerimônia de coroação -cuja data ainda será marcada- na qual o rei será ungido com óleo pelo arcebispo de Canterbury.

No entanto, Ian Bradley, professor de teologia da Universidade St Andrews, disse à AFP que “o papel do monarca é manter a nação unida de todas as maneiras possíveis, especialmente em termos de fé”.

Rami Ranger, presidente da British Sikh Association, acredita que, como monarca, independentemente dos partidos políticos, religiões ou origens de seus súditos, a rainha Elizabeth deu a todos "uma enorme sensação de segurança".

O monarca britânico tem um papel como o "coração espiritual" da nação e esse vínculo espiritual "um tanto inconsciente" se manifestou, segundo Bradley, nos "termos religiosos muitas vezes escolhidos por muitos para expressar seus sentimentos em relação à rainha".

O Reino Unido pode ter se tornado "uma nação pós-cristã muito secular, mas muitas pessoas ainda apreciam que o soberano tenha uma aura religiosa", acrescenta.

- Ortodoxos, judeus, sikhs, hindus -

"Alguns dos mais fortes defensores da monarquia são membros de minorias religiosas, como judeus, sikhs, hindus", insiste Bradley. E lembre-se que, embora Charles III seja um cristão praticante que "vai à igreja todos os domingos", ele também se "interessa pelo islamismo e pela espiritualidade em geral".

Assim como sua defesa do meio ambiente acompanha as preocupações dos mais jovens, esse interesse pelas religiões pode conectar Charles III ao Reino Unido atual.

Entre os cristãos, ele mostrou uma predileção especial pela religião ortodoxa, fazendo vários retiros para mosteiros no Monte Athos, na Grécia. Ele comoveu a comunidade judaica britânica visitando Israel - algo que sua mãe nunca fez - mesmo que não fosse em uma visita oficial.

Ele também teve “uma relação maravilhosa com o mundo muçulmano como príncipe, elogiando os ensinamentos do Islã e referindo-se muitas vezes a versos do Alcorão”, diz Hayat.

"Acreditamos que ele será um líder muito bom para os muçulmanos e que reunirá as diferentes confissões", até porque dada sua importância "quando ele fala, as pessoas ouvem" e "isso terá muito peso nas relações entre os mundo muçulmano, mundo cristão e mundo judaico", conclui.

ved-js/acc/eg/jc