Chavismo quer colombiano com extradição pedida pelos EUA em diálogo com oposição venezuelana

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·4 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

A delegação do governo venezuelano vai pedir que o empresário colombiano Alex Saab, detido em Cabo Verde à espera de sua extradição para os Estados Unidos, integre o processo de diálogo com a oposição no México, informou nesta terça-feira (14) o chefe da representação chavista, Jorge Rodríguez.

Saab, procurado pela justiça americana por lavagem de dinheiro, é um colaborador próximo do presidente Nicolás Maduro, que lhe deu a nacionalidade venezuelana, título de embaixador e chama sua detenção de "sequestro".

"Nós vamos oficializar de imediato aos facilitadores do governo do reino da Noruega, aos países acompanhantes (...) e também ao chefe da delegação do setor opositor que está sentado no México, o doutor Gerardo Blyde, a fim de informá-los desta decisão do governo bolivariano", informou Rodríguez, que também preside o Parlamento venezuelano.

Com a mediação da Noruega, o governo do presidente Nicolás Maduro e a oposição liderada por Juan Guaidó, reconhecido como presidente encarregado por meia centena de países, iniciaram em agosto um processo de negociação política no México para tirar a Venezuela da crise.

Em um comunicado divulgado posteriormente, a 'plataforma unitária', de oposição, descreveu a decisão como "uma estratégia de defesa do regime (de Maduro) no processo judicial entre dois países".

“Transformar esse processo em guerra de microfones ou debate na mídia prejudica muito a negociação”, afirmou no texto.

"Estamos na presença de uma situação que pode complicar esta mesa de negociação", explicou à AFP o analista político Oswaldo Ramírez, da empresa ORC Consultores. "Pode ser a desculpa do regime de Nicolás Maduro para frear o processo".

O governo vetou com sucesso um dos membros da delegação opositora, Carlos Vecchio, representante de Guaidó em Washinghton, que foi substituído pelo ex-deputado Freddy Guevara.

- "Ambiguidades legais" -

Detido durante uma escala técnica de seu avião em Cabo Verde em meados de junho de 2020, Saab é acusado pelos Estados Unidos de gerenciar uma vasta rede para que o presidente Nicolás Maduro e seu governo pudessem desviar em seu benefício ajuda alimentar destinada à Venezuela.

Juntamente com seu sócio, Álvaro Pulido, também procurado pela justiça americana, Saab teria transferido 350 milhões de dólares para fora da Venezuela em contas estrangeiras de sua propriedade ou sob seu controle. Ele pode ser condenado a até 20 anos de prisão se for considerado culpado.

O Tribunal Constitucional de Cabo Verde autorizou há uma semana a extradição de Saab, que já esgotou todos os recursos da apelação.

Por enquanto, desconhece-se quando ocorrerá seu envio para o território americano.

"O processo legal está longe de ter terminado e sua excelência, Alex Saab, não irá aos Estados Unidos logo. A decisão do Tribunal Constitucional de 7 de setembro deixa muitas ambiguidades legais", expressou o advogado de Saab, Femi Falana, em um comunicado nesta terça, antecipando que a equipe legal vai apresentar um recurso na alta corte pedindo "esclarecimentos".

Desde que foi detido, a equipe de defesa de Saab assegura que ele tem sido submetido a "torturas físicas e psicológicas", que perdeu peso e sua vista está comprometida, enquanto afirma que se for enviado aos Estados Unidos, correrá risco de vida.

- "400 dias sequestrado" -

O governo Maduro luta incansavelmente para evitar sua extradição. Já estando sob custódia, o nomeou embaixador ante a União Africana.

"Alex Saab tem mais de 400 dias sequestrado em uma prisão no exterior (...) e este castigo impiedoso ao qual foi submetido foi aplicado precisamente por estar cumprindo funções das quais estamos falando na mesa de negociação na capital do México", destacou Rodríguez.

"Estava cumprindo funções para obter medicamentos, alimentos para o povo da Venezuela em meio ao bloqueio mais feroz", acrescentou.

O chavismo exige na mesa de diálogo a suspensão das sanções impostas pelos países que não reconhecem a eleição do presidente Nicolás Maduro em 2018, enquanto a oposição exige um cronograma eleitoral, que inclua as presidenciais, previstas a princípio para 2024.

Os principais partidos da oposição anunciaram sua disposição de participar das eleições regionais de 21 de novembro, apesar de Guaidó insistir em que não há condições.

Está prevista a realização de uma terceira reunião entre 24 e 27 de setembro próximo, mas é difícil prever como será a participação de Saab.

A oposição ainda não reagiu ao anúncio.

jt/atm/Yow/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos