Checamos: aumento da conta de luz não tem relação com pagamento de indenização

·1 min de leitura
  • Postagem enganosa circula nas redes sociais

  • Alta é reflexo da crise hídrica, ao contrário do que posts enganosos alegam

  • Reportagem antiga foi tirada de contexto

Circula pelas redes sociais um post enganoso que descontextualiza uma reportagem de 2017 para relacionar o aumento na conta de luz a um acordo firmado durante o governo de Dilma Rousseff (PT) que prevê o pagamento de indenizações às empresas de energia elétrica.

Entretanto, o valor da restituição já está embutido na conta de luz e o encarecimento do valor se dá pela falta de chuva e crise hídrica.

Aumento dos preços repassados ao consumidor é reflexo da atual crise hídrica (Foto: Facebook/Reprodução)
Aumento dos preços repassados ao consumidor é reflexo da atual crise hídrica (Foto: Facebook/Reprodução)

De acordo com o Sistema Nacional do Sistema Elétrico (ONS), em agosto o Brasil registrou recorde na geração de energia térmica, solar e eólica. O acionamento dessas usinas demanda maior gasto das empresas hidrelétricas e esse valor é repassado ao preço final pago pelos consumidores.

O valor de R$ 62 bilhões mencionado na matéria do Jornal Nacional e compartilhado na peça de desinformação, refere-se ao acordo feito durante o mandato da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). Na época, as empresas de energia renovaram suas concessões e ficou estabelecido o pagamento das indenizações à prazo. Desde 2017 o pagamento desse valor é repassado aos consumidores.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos