Checamos: Bolsonaro ironiza suspensão das prévias do PSDB e faz alegação enganosa sobre urnas eletrônicas

·3 min de leitura
  • Comparação enganosa foi feita pelo presidente durante conversa com apoiadores na frente do Palácio da Alvorada

  • Urna eletrônica possui várias camadas de segurança e funciona de forma diferente de aplicativo

  • O Yahoo! Notícias já verificou outras declarações falsas de Bolsonaro sobre o sistema de votação eleitoral

Após a suspensão das prévias para a escolha do próximo candidato à Presidência nas eleições de 2022 do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) entre os governadores João Doria (SP) e Eduardo Leite (RS), além de Arthur Virgílio, ex-prefeito de Manaus (AM), em decorrência das falhas do aplicativo de votação destinado aos filiados e vereadores do partido, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ironizou o ocorrido fazendo uma comparação enganosa entre a falha do aplicativo utilizado pelos tucanos e o sistema de votação em urnas eletrônicas.

"Viu a confusão ontem? Não vou falar nisso porque não tenho nada a ver com outro partido, mas deu uma confusão em São Paulo ontem. É o tal do voto eletrônico, aí", disse o presidente a apoiadores na segunda-feira (22), em frente ao Palácio da Alvorada.

Bolsonaro ironizou suspensão das prévias tucanas e fez comparação enganosa sobre urnas eletrônicas e aplicativos (Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil)
Bolsonaro ironizou suspensão das prévias tucanas e fez comparação enganosa sobre urnas eletrônicas e aplicativos (Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil)

Não há comprovação de fraude em quaisquer eleições brasileiras desde que o sistema de votação eletrônico foi implementado no Brasil em 1996. Além disso, não é possível fazer uma comparação entre o aplicativo e a urna eletrônica porque possuem sistemas diferentes.

Não é a primeira vez que Bolsonaro levanta suspeitas infundadas sobre as urnas eletrônicas - meio pelo qual ele próprio foi eleito nas últimas eleições presidenciais. Nos atos de raiz golpista convocados pelo presidente no feriado de sete de setembro deste ano, entre as pautas reivindicadas estava a adoção do voto impresso nas eleições de 2022.

Na ocasião, a reportagem do Yahoo! Notícias monitorou as peças de desinformação sobre os atos antidemocráticos que circulavam nas redes sociais e verificamos informações falsas sobre a chegada de caminhoneiros no ato em Brasília, vídeos antigos e descontextualizados e áudio sobre suposta greve dos caminhoneiros.

No domingo, dia da votação das prévias tucanas, filiados ao PSDB relataram dificuldades em votar por meio do aplicativo desenvolvido para o partido pela Fundação

de Apoio da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (FAURGS). De acordo com a FAURGS a segurança do aplicativo não foi afetada e o processo de reparação está sendo acompanhado por técnicos que representam as chapas dos candidatos.

Entenda como funciona o sistema de votação nas eleições brasileiras

Comparar o aplicativo do PSDB com as urnas eletrônicas é enganoso. As urnas de votação não são conectadas à internet em nenhum momento durante as eleições. Além disso, o sistema operacional do equipamento é desenvolvido pela Justiça Eleitoral e não possui os softwares que estabelecem conexão com a internet, bluetooth ou rede de acesso remoto.

De acordo com o TSE, o sistema eleitoral brasileiro já é auditável e a integridade, segurança e auditabilidade das urnas é assegurada em cada pleito eleitoral com os seguintes processos:

  • Um mês antes das eleições nomeiam uma Comissão de Auditoria de Funcionamento das Urnas Eletrônicas;

  • 20 dias antes das eleições os Tribunais Regionais Eleitorais (TREs) precisam informar em seus sites os locais em que as auditorias serão feitas;

  • Nas vésperas das eleições, ou seja, um dia antes da votação, a Justiça Eleitoral sorteia durante uma cerimônia pública algumas seções eleitorais do país. As urnas sorteadas são retiradas das seções de origem e levadas aos TREs. A comissão providencia o número de cédulas de votação, por seção eleitoral sorteada e que corresponda de forma aleatória, entre 75% e 82% do número de eleitores registrados na respectiva seção eleitoral. Votos aleatórios são marcados nas cédulas de papel preenchidas por representantes de partidos políticos e das coligações e guardadas em urnas lacradas;

  • No dia da votação a urna é iniciada com a emissão da zerésima - documento emitido em cada seção eleitoral, antes do início da votação para atestar que nenhum voto foi emitido. Todo o procedimento é filmado, os votos são lidos em voz alta e contabilizados ao mesmo tempo em que acontece a apuração por meio da urna eletrônica. Ao final, o boletim da urna é emitido e os resultados comparados devem ser iguais.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos