Checamos declarações de candidatos ao governo de SP em debate da Band

Captura de tela de transmissão do debate entre candidatos ao Governo de São Paulo promovido pela Band no último domingo (Foto: YouTube / Reprodução)
Captura de tela de transmissão do debate entre candidatos ao Governo de São Paulo promovido pela Band no último domingo (Foto: YouTube / Reprodução)
  • No último domingo (7), a Band promoveu um debate entre os candidatos ao Governo de São Paulo

  • Estiveram presentes Fernando Haddad (PT), Rodrigo Garcia (PSDB), Tarcísio de Freitas (Republicanos), Elvis Cezar (PDT) e Vinícius Poit (Novo).

  • Foram debatidos assuntos relacionados a segurança pública, economia e educação, nos quais os candidatos citaram dados errados.

Na noite do último domingo (7), a Band promoveu o primeiro debate entre os candidatos ao Governo de São Paulo. Os candidatos participantes foram Fernando Haddad (PT), Rodrigo Garcia (PSDB) – sucessor de João Doria no Governo paulista –, Tarcísio de Freitas (Republicanos) –  ex-ministro da Infraestrutura do Governo de Jair Bolsonaro –, Elvis Cezar (PDT) e Vinícius Poit (Novo).

Foram debatidos assuntos como economia, educação e segurança pública. Confira a análise da redação do Yahoo! Notícias sobre as declarações dos candidatos.

Salário mínimo

"Bolsonaro deu reajuste [no salário mínimo] abaixo da inflação. Quase 5% abaixo da inflação"

Fernando Haddad (PT) em debate promovido pela Band, em 7 de agosto de 2022

Em 1º de janeiro de 2022, o salário mínimo foi reajustado para R$ 1.212, o que representou um aumento de 10,18% em relação ao último salário mínimo, de R$ 1.100.

Essa taxa é equivalente à variação da inflação acumulada em 2021, medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) de 10,06%.

Segurança

"São Paulo é o estado mais seguro do Brasil, é só olhar os indicadores"

Rodrigo Garcia (PSDB) em debate promovido pela Band, em 7 de agosto de 2022

O estado de São Paulo não está classificado como o estado mais seguro em todos os indicadores, conforme o Anuário Brasileiro de Segurança Pública de 2022, que analisou os dados do ano anterior.

Em relação a crimes como roubo de celulares, São Paulo apresentou a nona pior taxa do país. Estados como Sergipe, Maranhão, Bahia e Goiás apresentaram melhores resultados que São Paulo nesta categoria, por exemplo.

Educação

"Não é possível que São Paulo não seja líder no IDEB, seja quinto lugar e não é possível também que São Paulo tenha 90% dos seus alunos que terminam o ensino médio sem proficiência em português"

Tarcísio de Freitas (Republicanos) em debate promovido pela Band, em 7 de agosto de 2022

Na última classificação do IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), de 2019, o ensino médio de São Paulo foi classificado, de fato, em quinto lugar. O estado ficou atrás de Goiás, Espírito Santo, Paraná e Pernambuco.

Já em relação ao nível de proficiência em Português, em 2021, 76% dos alunos da rede pública estadual de São Paulo não atingiram os níveis adequado ou avançado de proficiência no idioma, e não 90% como afirmou o candidato.

Foram classificados no nível abaixo do básico 39% dos estudantes e 37% se enquadram no nível básico. Somente 24% ficaram nos níveis adequado ou avançado. Os alunos paulistas terminaram o Ensino Médio com uma proficiência equivalente a estudantes do 8º ano do ensino fundamental.

Os dados são do relatório do Saresp (Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo) de 2021.

Feminicídios

"No estado de São Paulo, a cada dois dias nós temos um feminicídio"

Elvis Cezar (PDT) em debate promovido pela Band, em 7 de agosto de 2022

De acordo com as estatísticas disponibilizadas pela Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, em um ano – entre junho de 2021 e junho de 2022 –, 132 mulheres foram vítimas de feminicídio no estado de São Paulo.

Esse número implica em uma média de 11 feminicídios ao mês no estado. Nesse sentido, houve cerca de uma ocorrência a cada três dias e não dois, como afirmou o candidato.

Empreendedorismo

"Não sei se todos sabem, mas no último Data Favela [...] 76% da população das favelas no Brasil querem abrir um negócio"

Vinícius Poit (Novo), em debate promovido pela Band em 7 de agosto de 2022

O dado correto divulgado pelo Data Favela em 15 de abril de 2022 mostrou que 76% dos mais de 17 milhões de moradores de favelas têm, tinham ou querem ter um negócio próprio.

De acordo com o levantamento, 50% dos que moram em favelas, se consideram empreendedores. Dessa parcela, 41% têm, de fato, um negócio. Além disso, somente 37% dos que são donos de um negócio têm um CNPJ.

Intenções de votos

Segundo a última pesquisa do Datafolha em São Paulo, Haddad lidera a disputa com 34% das intenções de voto. Garcia e Tarcísio aparecem empatados na segunda posição, ambos com 13%. Em seguida, Cezar e Poit pontuam 1% cada.

O debate também foi analisado pela Agência Lupa.

*Na pesquisa do Datafolha mencionada, foram ouvidas 1.806 pessoas entre os dias 28 e 30 de junho em 61 municípios. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos e o nível de confiança é de 95%.