Checamos: é enganoso que vacina contra pólio causou câncer nos EUA

·1 min de leitura
  • Não existem evidências para afirmação que circula nas redes sociais

  • “Vírus do câncer” não existe

  • Peça de desinformação circula em grupos antivacina para desencorajar imunização

Artigo compartilhado nas redes sociais afirma que o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos admitiu que “98 milhões de pessoas receberam o vírus do câncer através da vacina poliomielite”. A afirmação é enganosa.

Vacina não causa câncer e não existem vidências para afirmação que circula nas redes sociais (Foto: Twitter/Reprodução)
Vacina não causa câncer e não existem vidências para afirmação que circula nas redes sociais (Foto: Twitter/Reprodução)

Não existe um “vírus do câncer”. O que de fato aconteceu foi que alguns registros mostram que algumas doses de imunizantes contra a poliomielite aplicadas entre 1955 e 1963 foram infectados pelo vírus Simian 40, o SV40 conhecido também como vírus símio, que afeta macacos.

Ao contrário do que a peça de desinformação alega, 98 milhões referem-se ao número aproximado de norte-americanos que receberam o imunizante contra a poliomielite entre 1955 e 1963, e não o total de pessoas que foram expostas ou infectadas por ele.

Ainda de acordo com o Centro Nacional de Biotecnologia e Informação (NCBI), das 98 milhões de doses de vacinas aplicadas contra o pólio entre o período mencionado, estima-se que 10% a 30% continham SV40. As informações foram feitas com base em um estudo publicado em janeiro de 1976.

A peça de desinformação também foi verificada pelo Comprova.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos