Checamos: é falso que adolescentes de Blumenau e Camaçari morreram depois de tomarem vacina contra a Covid-19

·2 minuto de leitura
  • Áudio com desinformação circula no WhatsApp

  • Adolescentes citados na gravação não morreram em decorrência da vacinação

  • Anvisa e OMS recomendam o uso do imunizante da Pfizer em adolescentes

Circula no WhatsApp um áudio da comentarista da Jovem Pan, Cristina Graeml, lançando dúvidas sobre a vacinação de adolescentes contra a Covid-19 e relacionando óbitos de adolescentes à imunização. A informação é falsa.

A declaração foi feita pela comentarista durante o programa “Os Pingos nos Is” da emissora de rádio, no dia 23 de setembro. A edição do programa não está mais disponível no YouTube, mas é possível encontrar trechos da fala no Twitter. Graeml cita o nome de cinco adolescentes e diz que eles tinham recebido a vacina contra a Covid-19 alguns dias antes. Contudo, é falso afirmar que os jovens tenham falecido em decorrência da imunização.

Desinformação de comentarista da Jovem Pan circula no WhatsApp (Foto: Reprodução/Twitter)
Desinformação de comentarista da Jovem Pan circula no WhatsApp (Foto: Reprodução/Twitter)

Dois dos adolescentes citados sequer tinham sido vacinados; as autoridades sanitárias já descartaram a relação de uma outra morte com a vacina; e outros dois óbitos estão sob investigação.

Em junho, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) passou a autorizar a aplicação do imunizante em pessoas com 12 anos de idade ou mais. No comunicado, o órgão diz que a aprovação do uso da vacina em adolescentes foi feita “após a apresentação de estudos desenvolvidos pelo laboratório que indicaram a segurança e eficácia da vacina para este grupo. Os estudos foram desenvolvidos fora do Brasil e avaliados pela Anvisa.”

Leia também:

A discussão a respeito da vacinação de adolescentes veio à tona após a morte de uma adolescente na cidade de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, uma semana após ter recebido a vacinação. De acordo com as conclusões da Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo e da Anvisa, a jovem morreu em decorrência de uma doença autoimune.

Conteúdo semelhante também foi analisado pelo G1.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos