Checamos: é falso que Lava Jato não prendeu inocentes, como disse Moro

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • É falso que Lava Jato não prendeu inocentes, como disse Moro

  • Declaração foi feita durante entrevista à podcast

  • Algumas condenações feitas no âmbito da Lava Jato foram modificadas ou anuladas

Em entrevista, o ex-juiz e ex-ministro Sergio Moro, pré-candidato a presidente pelo Podemos, afirmou que nenhuma pessoa inocente foi presa na Operação Lava Jato. A declaração é falsa.

“Me diz aí um cara inocente que foi preso na Lava Jato”, disse Moro durante a entrevista.

A divulgação de conversas entre Moro e o promotor Deltan Dallagnol, além de outros integrantes da força-tarefa da Operação Lava Jato, ficou conhecida como Vaza Jato. O episódio, revelado pelo site The Intercept Brasil, mostrou que os integrantes da força-tarefa foram contra a possibilidade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) conceder uma entrevista à Folha de S.Paulo antes do segundo turno das eleições presidenciais de 2018, alegando que a conversa poderia "eleger Haddad".

É falso que Lava Jato não prendeu inocentes, como disse Moro (Foto: YouTube/Reprodução)
É falso que Lava Jato não prendeu inocentes, como disse Moro (Foto: YouTube/Reprodução)

Algumas condenações feitas no âmbito da Lava Jato foram modificadas ou anuladas. Em abril de 2021, o Supremo Tribunal Federal (STF) confirmou a anulação das condenações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na Lava Jato. Ainda em 2021, a Segunda Turma do Tribunal declarou a suspeição do ex-juiz Sergio Moro na ação penal contra o ex-presidente Lula referente ao caso triplex no Guarujá (SP). O colegiado entendeu que Moro demonstrou parcialidade na condução do processo na 13ª Vara Federal de Curitiba (PR).

Além disso, pelo menos duas pessoas foram alvos de mandados de prisão preventiva ordenados por Moro na Lava Jato e depois foram absolvidas. É o caso de Mateus Coutinho de Sá, ex-diretor da construtora OAS, preso preventivamente de novembro de 2014 a abril de 2015. Contudo, em novembro de 2016, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) absolveu o ex-diretor da OAS.

Adarico Negromonte Filho, irmão do ex-ministro das Cidades Mário Negromonte, teve a prisão preventiva decretada pelo então juiz em novembro de 2014. A detenção preventiva foi revogada pelo próprio Moro, que posteriormente absolveu Negromonte Filho dos crimes de lavagem de dinheiro e organização criminosa. A absolvição foi mantida pelo TRF-4.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos