Checamos: é falso que pessoas triplamente vacinadas estão desenvolvendo Aids

·2 min de leitura
  • É falso que pessoas triplamente vacinadas estão desenvolvendo Aids

  • Governo britânico não produziu nenhum relatório que mostra correlação entre a doença e a vacinação

  • Uma pessoa não contrai a Aids devido ao enfraquecimento do sistema imunológico, mas em decorrência da infecção pelo vírus HIV, quando há contato direto com o sangue ou secreções de um indivíduo infectado

Posts que circulam pelas redes sociais sugerem que pessoas que receberam três doses do imunizante contra a Covid-19 estariam supostamente desenvolvendo a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (Aids) em “ritmo alarmante”. A publicação ainda atribui essa informação ao “Governo do Reino Unido”. A afirmação é falsa.

“Triplamente vacinados estão desenvolvendo Síndrome da Imunodeficiência Adquirida em ritmo alarmante segundo dados do Governo do Reino Unido”, diz o texto enganoso compartilhado nas redes sociais.

Ao contrário do que a peça de desinformação alega, não existe nenhuma pesquisa que indique que pessoas que receberam três doses das vacinas contra o novo coronavírus no Reino Unido estejam desenvolvendo essa síndrome. Tampouco há informações públicas do governo britânico indicando que o número de pessoas com Aids está aumentando, nem dados que comprovem que o sistema imunológico da população vacinada foi afetado.

Governo britânico não produziu nenhum relatório que mostra correlação entre a doença e a vacinação. Além disso, uma pessoa não contrai a Aids devido ao enfraquecimento do sistema imunológico, mas em decorrência da infecção pelo vírus HIV, quando há contato direto com o sangue ou secreções de um indivíduo infectado (Foto: Reprodução/Facebook)
Governo britânico não produziu nenhum relatório que mostra correlação entre a doença e a vacinação. Além disso, uma pessoa não contrai a Aids devido ao enfraquecimento do sistema imunológico, mas em decorrência da infecção pelo vírus HIV, quando há contato direto com o sangue ou secreções de um indivíduo infectado (Foto: Reprodução/Facebook)

O boato com a relação falsa entre a imunização contra o coronavírus e o surgimento da Aids foram endossadas pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) durante transmissão semanal em suas redes sociais, realizada em outubro de 2021. O Facebook e o Instagram removeram o vídeo do presidente proferindo a falsidade. O YouTube também excluiu a live por infringir a política de desinformação sobre a Covid-19 da plataforma. Na ocasião, o mandatário brasileiro leu um texto com informações falsas sobre a vacinação. A reportagem do Yahoo! Notícias desmentiu a peça de desinformação.

Uma pessoa não contrai a Aids devido ao enfraquecimento do sistema imunológico, mas em decorrência da infecção pelo vírus HIV, quando há contato direto com o sangue ou secreções de um indivíduo infectado.

O Centers for Disease Control and Prevention (CDC) dos Estados Unidos recomendam a aplicação de doses de reforço devido à diminuição da proteção das vacinas anticovid ao longo do tempo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos