Checamos: frase de Nobel da Paz é distorcida para defender ‘tratamento precoce’

·1 min de leitura
  • Publicação viral é enganosa

  • Post enganoso faz falsa associação sobre remédios comprovadamente ineficazes contra a Covid

  • Desinformação é compartilhada por grupos antivacina

Posts compartilhados nas redes sociais reproduzem alegação enganosa para promover o chamado “tratamento precoce”. A publicação associa uma frase atribuída ao vencedor do prêmio Nobel de Medicina de 1993, Richard J. Roberts, ao tratamento precoce — comprovadamente ineficaz contra a Covid-19.

“Medicamentos que curam não são rentáveis, portanto, não são produzidos. A indústria farmacêutica, na realidade, não quer curar ninguém, e por um motivo muito simples e direto: a cura é menos rentável que a doença”, diz a frase creditada a Roberts. Na descrição, o post enganoso tenta associar a imagem do cientista ao uso de remédios ineficazes contra a Covid-19.

Post enganoso tenta associar a imagem do cientista vencedor do Nobel da Paz ao uso de remédios ineficazes contra a Covid-19 (Foto: Facebook/Reprodução)
Post enganoso tenta associar a imagem do cientista vencedor do Nobel da Paz ao uso de remédios ineficazes contra a Covid-19 (Foto: Facebook/Reprodução)

De fato, o comentário foi feito pelo vencedor do Nobel da Paz em 2007, ou seja, muito antes do novo coronavírus ser descoberto. Contudo, a frase foi tirada de contexto pelos desinformadores. “Os antibióticos foram interrompidos porque eles são muito eficazes e curam completamente. Como nenhum novo antibiótico foi desenvolvido, os microrganismos infecciosos se tornaram resistentes e, hoje, a tuberculose, que havia sido derrotada na minha infância, está ressurgindo e matou 1 milhão de pessoas no ano passado”, declarou o cientista no texto.

A peça de desinformação também foi analisada pelo Comprova.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos