Checamos: Japão não substituiu vacinas por ivermectina

·2 min de leitura
  • Desinformação circula em grupos antivacina

  • Japão não parou de vacinar a população, tampouco autorizou o uso da ivermectina para Covid

  • Não há estudos suficientes que comprovem o benefício da ivermectina na prevenção ou tratamento em qualquer estágio da doença

Posts nas redes sociais dizem que o Japão teria encerrado a vacinação contra a Covid-19 no país e substituído por ivermectina — vermífugo comprovadamente ineficaz para o tratamento da doença. A afirmação é falsa.

“O JAPÃO SAE DA CAMPANHA DE VACINAÇÃO E MUDA PARA IVERMECTINA. COVID DESAPARECE EM MENOS DE UM MÊS”, diz o texto compartilhado em aplicativos de mensagem instantânea.

O Japão não parou de vacinar a população, tampouco autorizou o uso da ivermectina para tratamento de Covid-19. A campanha de vacinação contra a doença teve início no país em no dia 17 de fevereiro deste ano. Segundo dados oficiais do governo japonês, até o dia 29 de novembro de 2021, 99,7 milhões de pessoas haviam tomado pelo menos a primeira dose, sendo que 97,3 milhões completaram o esquema vacinal com a segunda dose no país.

Mensagem falsa que circula nas redes sociais diz que o Japão interrompeu a vacinação contra a Covid-19 no país e substituiu o imunizante por ivermectina, o que não é verdade (Foto: Telegram/Reprodução)
Mensagem falsa que circula nas redes sociais diz que o Japão interrompeu a vacinação contra a Covid-19 no país e substituiu o imunizante por ivermectina, o que não é verdade (Foto: Telegram/Reprodução)

A reportagem do Yahoo! Notícias já demonstrou que não existe eficácia comprovada de que o uso da ivermectina traga qualquer benefício contra a Covid-19. Uma peça de desinformação que circula no Telegram recomenda que as pessoas se automediquem e usem os remédios de forma preventiva ou para amenizar os sintomas da infecção. Até o momento não existem estudos científicos sólidos que evidenciem a eficácia de tais drogas na cura ou prevenção da Covid-19.

Um medicamento é considerado eficaz após passar por estudos clínicos e metodológicos que atestem seus benefícios e riscos. Estudo publicado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em março de 2021 sobre medicamentos preventivos “faz uma recomendação forte contra o uso de hidroxicloroquina”, após a análise de seis estudos.

Até o momento, não há estudos suficientes que comprovem o benefício da ivermectina na prevenção ou tratamento em qualquer estágio da doença. Em outro documento, a OMS diz que “não temos evidências persuasivas de um mecanismo de ação da ivermectina na Covid-19” e recomenda que o medicamento não seja usado, exceto no contexto de um ensaio clínico.

O conteúdo falso também foi analisado pela AFP Checamos e FactCheck-org.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos