Checamos: mensagem sobre mortes no RJ por variante ômicron é falso

·3 min de leitura
  • Boato circula em aplicativos de mensagens instantâneas

  • Até o momento, o RJ não identificou casos de Covid por nova cepa

  • Entenda o que se sabe até agora sobre a variante ômicron

Circula pelas redes sociais um áudio alegando que a variante da Covid-19 recém-descoberta, nomeada de ômicron, foi identificada em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) no bairro da Tijuca, no Rio de Janeiro. A mensagem de voz afirma ainda que duas pessoas faleceram em decorrência da nova cepa. A afirmação é falsa.

"A população precisa ser alarmada porque o negócio é feio", diz um trecho da mensagem de voz.

A Secretaria de Estado da Saúde do Rio de Janeiro negou o boato. "A Secretaria de Estado de Saúde do Rio afirma que a informação que circula nas redes sociais sobre a identificação de uma nova variante da Covid-19. no Rio de Janeiro é falsa. A notícia circula através de um áudio que diz ainda que duas pessoas teriam morrido por causa da suposta nova cepa na enfermaria da UPA na Tijuca, na zona norte. Segundo a direção da unidade, o último óbito por Covid-19 registrado no local foi no dia 28 de setembro [de 2021]", disse em nota.

Daniel Soranz, Secretário de Saúde do Rio, usou sua conta no Twitter para desmentir a informação falsa. "Muita atenção aos áudios circulando com notícias falsas", afirmou.

Comunicado publicado nas redes sociais do Secretário de Saúde do Rio desmentindo o boato (Foto: Twitter/Reprodução)
Comunicado publicado nas redes sociais do Secretário de Saúde do Rio desmentindo o boato (Foto: Twitter/Reprodução)

Variante ômicron: o que se sabe até agora?

O surgimento de uma cepa no novo coronavírus confirmado em regiões da África tem preocupado especialistas de saúde. Batizada de ômicron — letra grega correspondente à letra “o” do alfabeto —, a cepa B.1.1.529 foi identificada em Botsuana, em 24 de novembro deste ano.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou a B.1.1.529 como uma "variante de preocupação" e escolheu como nome "ômicron". Com essa classificação, a nova variante foi colocada no mesmo grupo de versões do coronavírus que já causaram impacto na progressão da pandemia: alfa, beta, gama e delta.

"Esta variante apresenta um grande número de mutações, algumas das quais preocupantes. A evidência preliminar sugere um risco aumentado de reinfecção com esta variante [...] O número de casos desta variante parece estar aumentando em quase todas as províncias da África do Sul. Os diagnósticos de PCR atuais do SARS-CoV-2 continuam a detectar essa variante, disse a OMS em comunicado.

O órgão recomenda que os países e autoridades sanitárias sigam estas instruções quando identificarem a nova variante:

  • melhorar a vigilância e os esforços de sequenciamento para compreender melhor as variantes circulantes do SARS-CoV-2;

  • enviar sequências completas do genoma e metadados associados a um banco de dados disponíveis publicamente;

  • relatar casos / grupos iniciais associados à infecção à OMS;

  • onde houver capacidade e coordenação com a comunidade internacional, realizar investigações de campo e avaliações laboratoriais para melhorar a compreensão dos impactos potenciais da nova variante na epidemiologia, gravidade, eficácia da saúde pública e medidas sociais, métodos de diagnóstico, respostas imunológicas, anticorpos neutralização ou outras características relevantes.

No sábado, 27 de novembro, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou uma nota técnica complementar que inclui mais quatro países africanos na lista de restrição de voos e desembarque no Brasil. São eles: Angola, Malawi, Moçambique e Zâmbia. Anteriormente, a Anvisa havia recomendado que visitantes da África do Sul, Botsuana, Eswatini, Lesoto, Namíbia e Zimbábue não desembarcassem no Brasil.

A peça de desinformação também foi verificada pelo G1.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos