Checamos: morte de crianças quenianas não tem relação com vacina contra a Covid-19

·1 min de leitura
  • Gravação foi feita em fevereiro de 2020, ou seja, anterior ao início da vacinação contra o novo coronavírus

  • Publicações mentem ao usar imagem de acidente em escola

  • Tumulto foi registrado em uma escola primária na cidade de Kakamega, no Quênia

Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) compartilharam nas redes sociais um vídeo de crianças mortas enfileiradas no chão. As imagens fortes mostram que as pessoas ao redor estão desesperadas. As publicações alegam que as vítimas teriam tomado a vacina contra a Covid-19, o que não é verdade.

“13 crianças foram vítimas das vacinas Covid-19 em uma escola na África do Sul e sem cobertura da mídia, apenas postagens no Instagram, mas que continuam apagadas, deletadas e censuradas pela BigTech”, escreveu uma usuária nas redes sociais ao fazer a associação mentirosa.

Posts usam tragédia em escola no Quênia para espalhar desinformação sobre a vacina contra a Covid-19 (Foto: Twitter/Reprodução)
Posts usam tragédia em escola no Quênia para espalhar desinformação sobre a vacina contra a Covid-19 (Foto: Twitter/Reprodução)

No entanto, a gravação mostra crianças que morreram pisoteadas durante um tumulto registrado em uma escola primária na cidade de Kakamega, região oeste do Quênia, no continente africano. A fatalidade aconteceu em fevereiro de 2020, ou seja, muito antes do início da campanha de imunização contra a Covid-19 no mundo. No Quênia, a vacinação contra o novo coronavírus começou em março de 2021.

Na ocasião, 14 crianças morreram pisoteadas em uma escola primária no meio de uma confusão no encerramento das aulas. Autoridades policiais afirmaram que o tumulto não teve causa aparente e que provavelmente a debandada que vitimou os estudantes foi uma fatalidade.

Uma foto publicada pelo jornal britânico Daily Mail e creditada à agência Reuters exibe os corpos dos estudantes enfileirados sob um ângulo semelhante ao do vídeo desinformativo. O texto narra o incidente ocorrido na cidade queniana.

No mesmo dia, o vice-presidente do Quênia, William Samoei Ruto, publicou uma mensagem em suas redes sociais lamentando o ocorrido.

Até o momento, apenas adultos estão sendo vacinados contra o novo coronavírus no Quênia.

O conteúdo também foi analisado pela AFP.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos