Checamos: vídeo que circula nas redes sociais manipula declaração de presidente da Anvisa

·2 min de leitura
  • Vídeo que circula nas redes sociais manipula declaração de presidente da Anvisa

  • Post traz alegação falsa sobre imunizantes contra a Covid-19

  • Peça de desinformação tem sido compartilhada nas redes sociais

Vídeo que circula nas redes sociais induz os usuários a entender que o diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antonio Barra Torres, teria afirmando que considera a vacinação contra o novo coronavírus um "risco sanitário grave". A declaração, na verdade, foi distorcida.

“Presidente da Anvisa admite q população corre risco grave ao tomar a vacina. Ele declara que foi tirado pelo STF, o direito da Anvisa de analisar todos os dados necessários para a liberação da vacina. Isso quer dizer que ninguém sabe o que está tomando. E agora?”, diz a descrição da gravação compartilhada nas redes sociais.

Post traz alegação falsa sobre imunizantes contra a Covid-19. Vídeo distorce entrevista concedida por Antonio Barra Torres, diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)  (Foto: Facebook/Reprodução)
Post traz alegação falsa sobre imunizantes contra a Covid-19. Vídeo distorce entrevista concedida por Antonio Barra Torres, diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) (Foto: Facebook/Reprodução)

Mesmo com a sinalização do Facebook de que o conteúdo do post é uma alegação falsa, a peça de desinformação continua a ser replicada nas redes sociais. O conteúdo enganoso manipula um trecho de uma entrevista dada pelo diretor-presidente da Anvisa em 10 de fevereiro de 2021 à CNN Brasil e voltou a circular em meio ao noticiário sobre a imunização de crianças de 5 a 11 anos contra a Covid-19 no Brasil.

Uma busca reversa pelo registro mostra que o presidente da Anvisa não se referia à segurança dos imunizantes contra a Covid-19 quando fez menção ao "risco sanitário grave".

Na verdade, como mostra a íntegra da entrevista, Barra Torres falava de uma Medida Provisória (MP) que poderia dar cinco dias para que o órgão autorize o uso no Brasil de vacinas contra a Covid-19 aprovadas por agências internacionais.

A Anvisa é o órgão sanitário responsável pela avaliação e aprovação de medicamentos no Brasil. Para um imunizante ser liberado no Brasil a Anvisa analisa como ele foi produzido, os estudos e embasamentos técnicos que concluíram pela segurança e eficácia do medicamento. Após a liberação do uso em seres humanos, o órgão também faz o monitoramento para possíveis eventos adversos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos