Chefe de comissão independente que fiscaliza pesquisa explica por que 'não há motivo para suspensão do estudo' da CoronaVac

Constança Tatsch
·1 minuto de leitura
Divulgação
Divulgação

RIO - O coordenador da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep), o médico Jorge Venâncio, que acompanha de perto o estudo da vacina CoronaVac, afirmou que "de jeito nenhum" recomendaria a suspensão dos testes após receber as informações das circunstâncias da morte do voluntário de São Paulo.

Ainda segundo Venâncio, o voluntário "não tinha nenhum problema de saúde e chegou a fazer um check-up particular, com uma batelada de exames, pouco depois".

Os testes foram suspensos nesta segunda-feira pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que alegou ter recebido informações "insuficientes e incompletas". As avaliações da Conep e da Anvisa são independentes e os dois órgãos têm o poder de interromper a pesquisa.

A interrupção foi decidida após a morte de um profissional de saúde que era voluntário dos testes da CoronaVac, vacina em desenvolvimento pela farmacêutica chinesa Sinovac Biotech, em parceria com o Instituto Butantan, do Governo de São Paulo, para combater a Covid-19.

O voluntário cometeu suicídio, segundo um boletim de ocorrência registrado na capital paulista. O documento foi divulgado em primeira mão pela Globonews e confirmado pelo GLOBO nesta terça-feira.

Leia aqui a entrevista completa com Jorge Venâncio