Chefe da AIEA 'preocupado' com usinas nucleares não declaradas pelo Irã

·1 minuto de leitura
Rafael Grossi, diretor-geral da AIEA

O chefe da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Rafael Grossi, disse em um relatório nesta segunda-feira (31) estar "preocupado" porque o Irã não esclareceu dúvidas sobre vários locais onde poderia haver atividade nuclear não declarada.

"O diretor-geral está preocupado com o fato de que as discussões técnicas entre o Irã e a Agência não produziram os resultados esperados", em referência às discussões sobre as usinas com autoridades iranianas, informou o relatório consultado pela AFP.

Essas reuniões, que começaram no início de abril, visam esclarecer a possível presença de material nuclear em vários locais. "A agência não sabe sua localização atual", explica a AIEA, com sede em Viena.

Em seu relatório de fevereiro, a agência da ONU havia mencionado, embora sem nomeá-lo, um desses locais, especificamente um depósito no distrito de Turquzabad, na capital.

O documento, que o Conselho de Governadores analisará na próxima semana, também aborda a questão das reservas de urânio enriquecido do Irã.

Sua quantidade, cerca de 3.241 quilos, supera 16 vezes o limite autorizado pelo acordo internacional de 2015 sobre o programa nuclear iraniano, fixado em 202,8 quilos.

O Irã começou a violar seus compromissos nucleares em 2019, em resposta à saída unilateral um ano antes dos Estados Unidos de Donald Trump do acordo nuclear e sua reimposição de sanções contra Teerã.

Negociações estão em curso em Viena para o retorno dos Estados Unidos ao acordo, que visa impedir o Irã de se equipar com a bomba atômica.

jsk-anb/at/tjc/mb/jc

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos