Chefe da diplomacia dos EUA lamenta que direitos humanos sigam na 'direção errada'

·1 minuto de leitura
Secretário de Estado Antony Blinken durante entrevista coletiva em Washington, 30 de março de 2021

O chefe da diplomacia dos Estados Unidos, Antony Blinken, alertou nesta terça-feira (30) que os direitos humanos estão regredindo no mundo e destacou sua indignação com as situações na China, Mianmar, Síria e outros países.

"A tendência na questão dos direitos humanos continua avançando na direção errada. Vemos evidências disso em todas as regiões do mundo", afirmou Blinken a jornalistas durante a apresentação do relatório anual do Departamento de Estado.

O representante garantiu que o governo de Joe Biden se oporá a "violações dos direitos humanos onde quer que ocorram e independentemente de quem sejam os responsáveis".

Blinken insistiu especialmente em apontar o "genocídio cometido contra os uigures, majoritariamente muçulmanos" na região de Xinjiang na China e a repressão pelas forças armadas birmanesas contra os manifestantes que se opõem ao golpe de fevereiro.

O secretário de Estado também criticou o governo de Donald Trump, que focou sua política em alguns direitos específicos, como a liberdade religiosa, às vezes em detrimento dos direitos das minorias ou o acesso ao aborto.

“Não há uma hierarquia que torne alguns direitos mais importantes do que outros”, disse ele, observando que seu departamento virou a página para “opiniões tendenciosas”.

sct/ft/an/dga/ap/mvv