Chefe da diplomacia europeia pede à UE que reaja após fracasso no Afeganistão

·2 minuto de leitura
(Arquivo) O chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell

O chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, alertou neste sábado que é impossível retirar todos os colaboradores afegãos daquele país até 31 de agosto, e pediu que o fracasso do Ocidente no Afeganistão sirva para que a União Europeia (UE) reaja e crie uma força militar.

Em entrevista à AFP, Borrell lamentou que as medidas de segurança adotadas pelos Estados Unidos no aeroporto de Cabul dificultam a operação. "O problema é o acesso ao aeroporto. As medidas de controle e de segurança americanas são muito fortes. Nós reclamamos. Pedimos para que sejam mais flexíveis. Não conseguimos que deixem nossos colaboradores passar", afirmou.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, estabeleceu 31 de agosto como prazo para completar a retirada das tropas do Afeganistão, mas alertou que pode se prolongar para continuar a evacuação.

O Exército americano controla atualmente o aeroporto de Cabul e coordena as operações de controle do tráfego aéreo.

"Pelo o que sei, até o momento, os americanos não disseram que vão ficar depois de 31 de agosto, mas poderiam mudar de opinião", disse Borrell. "Querem evacuar 60.000 pessoas entre agora e o final deste mês. É matematicamente impossível", acrescentou.

O chefe da diplomacia europeia visitou neste sábado, juntamente com dirigentes da UE, a base militar de Torrejón de Ardoz (nordeste de Madri), onde foi instalado um centro de recepção de funcionários afegãos do bloco em Cabul.

O ex-chanceler espanhol afirmou que 150 dos 400 afegãos que trabalhavam para a UE já foram evacuados. "Estou ciente de que é muito insuficiente", acrescentou. "Os aviões se vão enquanto as pessoas continuam na pista".

“Se os americanos partirem no dia 31, os europeus não terão capacidade militar de ocupar e garantir o aeroporto militar, os talibãs irão assumir o controle”, refletiu. “Se você quer remover seus colaboradores, você tem que falar com os talibãs. Falar não significa reconhecer", assinalou. "Mas será impossível tirar de Cabul todos os afegãos que precisam de proteção. É impossível, inimaginável", afirmou Borrell.

- Sem consulta -

"Lamento muito como os fatos ocorreram. Mas ninguém pediu a opinião dos europeus", comentou o chefe da diplomacia europeia. "Temos que nos organizar para enfrentar o mundo como ele é, não como sonhamos. Propomos dotar a UE de uma força inicial de 50 mil militares capazes de agir em circunstâncias como a que vivemos no Afeganistão."

O projeto está em discussão pelos ministros da Defesa do bloco. "Vou viajar em setembro para o Iraque, Tunísia e Líbia", anunciou Borrell. "As próximas crises serão no Irã e Sahel", previu. "A Europa só se mexe nas crises. O Afeganistão pode despertá-la."

csg/dc/tjc/eg/aa/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos