Chefe da ONU considera 'muito importante' discutir com Talibã

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, gesticula ao chegar a uma coletiva de imprensa sobre o Afeganistão, em Genebra, em 13 de setembro de 2021 (AFP/Fabrice COFFRINI)
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, considerou, nesta segunda-feira (13), "muito importante" que as Nações Unidas falem com o Talibã para facilitar a entrega e distribuição de ajuda humanitária no Afeganistão.

"É impossível fornecer ajuda humanitária no Afeganistão sem falar com as autoridades de fato do país", disse Guterres em entrevista coletiva à margem de uma reunião ministerial em Genebra, na qual a ONU pediu 600 milhões de dólares em ajuda para organizações humanitárias no país.

"Acredito que é muito importante discutir com o Talibã neste momento por todos os aspectos que preocupam a comunidade internacional, seja o terrorismo, direitos humanos, drogas ou a natureza do governo", acrescentou.

Quase um mês depois de os fundamentalistas islâmicos assumirem o poder, Guterres enfatizou que a ONU está "firmemente comprometida em fornecer ajuda humanitária ao povo afegão".

"E, é claro, estamos muito preocupados em garantir que a ajuda humanitária sirva como uma alavanca para obter um compromisso real do Talibã em todos os outros aspectos que preocupam a comunidade internacional", como os direitos humanos, explicou.

"Se quisermos promover os direitos humanos para o povo afegão, a melhor maneira é avançar com a ajuda humanitária, dialogar com o Talibã e aproveitar essa ajuda humanitária para pressionar pela implementação desses direitos", disse ele.

Guterres enfatizou, porém, que "a ajuda humanitária não vai resolver o problema se a economia afegã entrar em colapso. Sabemos que o risco é enorme".

Apontando a "terrível escassez de liquidez" no Afeganistão, o chefe da ONU exortou a comunidade internacional a encontrar mecanismos "para garantir que não deixemos a economia afegã entrar em colapso", já que muitos países se recusam a fornecer ajuda direta ao novo regime numa tentativa de fazê-lo perder força.

"Apelo à comunidade internacional para que encontre formas de permitir uma injeção de liquidez na economia afegã, a fim de permitir que a economia respire e, assim, evitar um colapso que teria consequências devastadoras para o povo afegão e que poderia desencadear um êxodo maciço, com consequências que vocês podem imaginar para a estabilidade dos países da região", lançou.

"Não acho que se as autoridades de um país se comportam mal, a solução é punir coletivamente o povo", concluiu.

apo/vog/sg/mis/es/mr/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos