Chefe da PF usa nome de Bolsonaro para anunciar quase plano de saúde após atos contra governo

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, 19.10.2021: O diretor-geral da Polícia Federal, Paulo Maiurino. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, 19.10.2021: O diretor-geral da Polícia Federal, Paulo Maiurino. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Nesta terça (16), após protesto de associações de delegados, peritos e agentes da PF com cobranças ao governo Jair Bolsonaro, o diretor-geral da Polícia Federal, Paulo Maiurino, anunciou sem especificar um "avanço na implementação" de plano de saúde da corporação.

Em nota, Maiurino afirmou que os pontos mais críticos das tratativas foram superados com o apoio e a aprovação prévia de Bolsonaro e que o plano de saúde será uma conquista inédita e abrangerá policiais, funcionários administrativos e dependentes.

O propósito, diz a nota, é cuidar dos pilares da PF: os servidores.

"Reforçamos que, somente com a união e o respeito de todos os valores e princípios históricos do órgão, conseguiremos alcançar o triunfo. A Polícia Federal não pertence a alguns, mas sim à sociedade brasileira", escreveu Maiurino.

Nesta terça (16), dia do policial federal, as associações de delegados, peritos e agentes da PF realizaram atos em vários estados para cobrar o governo federal.

Em frente à sede da PF em Brasília, os representantes das entidades colocaram faixas para cobrar promessas não cumpridas pelo presidente e afirmam que o governo federal desvaloriza os policiais.

"Esse governo prometeu nos valorizar e nesse período só tomamos porrada. Salários congelados, perdemos benefícios previdenciários, perdemos com a PEC Emergencial. Cadê a valorização prometida?", disse ao Painel Edvandir Paiva, presidente da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal.

Segundo Paiva, os policiais estão cada dia mais indignados com o tratamento do governo.

O presidente da Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais, Marcos Camargo, também cita as perdas com a reforma da previdência e com a PEC Emergencial para dizer que o ato tem como objetivo apontar para a falta de reconhecimento do governo Bolsonaro.

"Estamos numa fase em que buscamos a valorização que foi prometida, (o presidente ) se elegeu com base no discurso de valorização da PF e o cenário é o contrário, é um cenário de retrocesso para a polícia", afirma Camargo.

O apoio dos policiais na eleição de Bolsonaro também foi é abordado por Luis Antônio Boudens, da Federação Nacional dos Policiais Federais, para cobrar uma "atenção imediata" do governo às pautas da classe.

"É notório que esse governo foi eleito com a bandeira da segurança pública, o próprio filho do presidente é policial federal (o deputado Eduardo Bolsonaro é escrivão da PF). Mas por que os militares ficaram de fora das reformas e os policiais foram deixados de lado na hora de terem os direitos preservados?", questionou Boudens.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos