Chefe de facção dá 'dicas' para execução: 'Não deixa gritar, não deixa correr'

A operação cumpriu 110 mandados de prisão contra membros do PCC (Foto: AP Photo/Jonne Roriz-AGENCIA ESTADO)

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Operação policial cumpriu 110 mandados de prisão contra membros do PCC

  • Traficante ‘Maré Alta’, líder substituto de Marcola, é um dos alvos

Uma operação policial conjunta cumpriu 110 mandados de prisão contra membros da facção criminosa PCC em oito estados diferentes na quarta-feira (27). Um dos alvos é o traficante identificado como Maré Alta, que teria substituído o fundador e chefe da organização, Marcola, hoje preso Penitenciária Federal de Porto Velho, em Rondônia.

Após sete meses de investigações, a Operação Flash Back tinha como objetivo combater o principal núcleo da facção, no Mato Grosso do Sul, onde Maré Alta está preso. Da penitenciárias, ele dá instruções para o “tribunal do crime” no restante do país.

Leia também

Em um dos áudios, o traficante deu orientações sobre como deveriam ser feitas as torturas e execuções de integrantes de facções rivais: "Não deixa o cara gritar, não deixa o cara correr". Em seguida, um outro membro do PCC responde: "Fica tranquilo, está morto já". Outros crimes apurados pela investigação são justiçamento, sequestros, assaltos e tráfico de drogas.

Até as 18h, a operação já havia feito 81 prisões em Alagoas, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, São Paulo, Tocantins e Sergipe. 49 delas foram feitas em Maceió, onde um suspeito morreu durante confronto com policiais. As informações são da Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP-AL).

A Operação Flash Back é um esforço conjunto entre a SSP/AL, o Ministério da Justiça, o Ministério Público do Estado de Alagoas, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e do Grupo Nacional de Combate às Organizações Criminosas (GNCOC), a 17ª Vara Criminal da Capital, o Batalhão de Operações Especiais (Bope) e a Secretaria de Ressocialização e Inserção Social (Seris).