Chefe da diplomacia europeia defende controle do embargo de armas na Líbia

Alto representante para Política Externa da UE, Josep Borrell (centro), em 20 de janeiro de 2020, em Bruxelas

A União Europeia (UE) decidiu na segunda-feira revisar o mandato de sua operação naval Sophia no Mediterrâneo central para se concentrar no embargo de armas à Líbia sob o acordo internacional concluído no dia anterior em Berlim para relançar os esforços de paz no país.

"Ninguém se opôs a essa decisão", disse o chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, em entrevista coletiva após uma reunião dos ministros das Relações Exteriores do bloco em Bruxelas, especificando que o "mandato incidirá especialmente na luta contra o tráfico de armas ".

No domingo, as potências envolvidas no conflito líbio prometeram respeitar um embargo de armas das Nações Unidas e evitar intervir nos assuntos internos desse país mergulhado na guerra. Também pediram uma trégua permanente.

O escopo dos acordos da Conferência de Berlim, em que Rússia, Turquia, França, Alemanha, Reino Unido e ONU participaram, entre outros, é incerto por causa da recusa dos dois rivais diretos -Fayez al Sarraj e Jalifa Haftar - conhecer.

As propostas sobre o futuro da operação de Sophia, cujo prazo atual termina em 31 de março, serão apresentadas durante a próxima reunião dos ministros das Relações Exteriores prevista para 17 de fevereiro.

Nascida em 2015 com o objetivo de lutar contra os traficantes de migrantes após um trágico naufrágio, a missão prendeu cerca de 150 traficantes e resgatou em torno de 45.000 pessoas.

Ao longo dos anos, os europeus acrescentaram novas funções a essa missão, que também treina as guardas costeiras da Líbia e controla a aplicação do embargo de armas imposto pela ONU à Líbia e ao tráfico ilegal de petróleo.

Borrell confirmou que os navios enviados com o novo mandato continuarão a respeitar suas obrigações nos termos do direito marítimo. No entanto, as áreas de operações não estariam necessariamente nas rotas usadas pelos navios com migrantes a bordo, segundo fontes europeias.

Sobre a possibilidade de enviar uma missão internacional para ajudar a garantir um cessar-fogo, uma vez que este tenha sido aprovado por ambos os lados como se comprometeram vários líderes em Berlim, o chefe da diplomacia europeia pediu um pouco mais de tempo.

"No momento, não temos um cessar-fogo, mas uma trégua instável e que pode ser violada várias vezes ao dia", disse o chefe europeu.