Chefe dos Carabineiros renuncia no primeiro dia do governo Piñera

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, ao chegar no palácio presidencial La Moneda em Santiago, capital do país, em 11 de março de 2018

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, anunciou em seu primeiro dia de mandato a renúncia do chefe dos Carabineiros, Bruno Villalobos, muito criticado por uma fraude milionária dentro da instituição durante sua gestão.

Em uma esperada decisão, Villalobos apresentou sua renúncia pelo escândalo que veio à tona há um ano, em que cerca de 70 policiais - alguns deles altos oficiais e civis - foram envolvidos em um desfalque de aproximadamente 50 milhões de dólares, no que é conhecido como o maior caso de corrupção nos Carabineiros.

"Agradeço ao general diretor-geral dos Carabineiros, Bruno Villalobos, por seus serviços prestados", declarou Piñera em breve comunicado lido um dia depois de sua posse como presidente do Chile.

Ao menos cinquenta policiais deram baixa após o desvio de fundos bancários para contas privadas de carabineiros e civis, que teria começado em 2006, segundo a investigação do caso a cargo da Procuradoria chilena.

Esperava-se que Bachelet pedisse a renúncia a Villalobos, mas a então presidente o manteve no cargo durante a investigação do caso.

Em um vídeo de despedida, difundido horas depois de sua saída, Villalobos afirmou que atores "políticos e sociais" pediram sua renúncia por "uma suposta ausência de controle na instituição".

"Quero pedir perdão por ações que possam ter ameaçado a credibilidade dos Carabineiros do Chile", acrescentou.