Chefe da ONU pede cessar-fogo 'imediato e global' diante do avanço do coronavírus

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, lançou nesta segunda-feira um chamado a "um cessar-fogo imediato e global" para preservar os civis dos países em conflito diante da pandemia de coronavírus.

"A fúria do vírus revela claramente que a guerra é louca", enfatizou durante um breve discurso na sede da ONU, sem citar nenhum país em particular. "É por isso que hoje estou pedindo um cessar-fogo imediato e global em todos os cantos do mundo", declarou.

A Síria já registrou um primeiro caso de COVID-19 e contágios foram relatados em outros lugares com conflitos, como na República Democrática do Congo e no Afeganistão.

Leia também

Especialistas e diplomatas acreditam que o vírus causará importantes estragos em países em conflito, que geralmente são muito pobres e têm sistemas de saúde frágeis.

"É hora de colocar o conflito armado em isolamento e nos concentrarmos na verdadeira luta de nossas vidas", disse Guterres. "Silenciem as armas; parem as artilharias; acabem com os ataques aéreos", pediu.

Suspender os combates será crucial para a abertura de corredores para fornecer ajuda e salvar vidas, disse ele.

"Vamos acabar com o flagelo da guerra e combater a doença que está devastando o mundo. Isso começa pelo fim dos combates em todos os lugares. Agora", enfatizou.

Após o pedido de Guterres na semana passada para fornecer uma resposta global à pandemia que coloca "milhões" de vidas em risco, a ONU deve divulgar na quarta-feira um plano detalhado de ajuda humanitária global, com a criação de um fundo dedicado à luta internacional contra o vírus.

- Plano em andamento -

As Nações Unidas planejam lançar napróxima quarta-feira um plano global de resposta humanitária à pandemia de coronavírus, com um apelo para financiar um fundo dedicado a essa luta no valor de dois bilhões de dólares.

Entre outras coisas, o Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) e a Organização Internacional para as Migrações (OIM) estão trabalhando em um "plano" com os países anfitriões para "evitar a violência" em campos onde os refugiados vivem com pessoas deslocadas e "limitar o impacto" do vírus, disse Guterres.

"Essas medidas serão incluídas na convocação que será lançada na quarta-feira exigindo dois bilhões de dólares para nos permitir uma resposta mais adequada a situações dramáticas", afirmou.

Guterres disse ter enviado uma carta aos líderes do G20, exigindo "uma coordenação mais forte" com o objetivo de "erradicar a doença" e garantir que a resposta não se limite aos países desenvolvidos, mas que também haja "apoio máximo" para o mundo em desenvolvimento".

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.