Japonês de 112 anos se torna o homem mais velho do mundo

Tóquio, 10 abr (EFE).- O cidadão japonês Masazo Nonaka, de 112 anos e 259 dias, foi reconhecido nesta terça-feira como o homem vivo mais velho do mundo pela organização Guinness World Records, substituindo assim um espanhol que morreu em fevereiro.

Nonaka recebeu este reconhecimento após a morte de Francisco Nuñez Olivera, que faleceu em fevereiro aos 113 anos, explicou a organização em comunicado.

O ancião japonês recebeu o certificado do recorde em sua casa em Ashoro, na ilha de Hokkaido, no norte do Japão, que compartilha com sua numerosa família e onde passa os dias vendo programas de sumô na televisão, lendo jornal e desfrutando de doces e tortas, segundo detalharam seus netos.

Uma vez por semana, Nonaka também aproveita para desfrutar os onsen - banhos tradicionais japoneses - que são uma tradição em sua família há mais de 100 anos.

"Obrigado", disse Nonaka ao receber o reconhecimento. Devido a sua idade avançada, o ancião se desloca em uma cadeira de rodas, mas, conforme explicou seu bisneto de 20 anos, ele "tem a mente clara e não necessita de cuidados médicos diários", informou a agência "Kyodo".

Nonaka nasceu em 25 de julho de 1905, meses antes de Albert Einstein publicar sua Teoria Geral da Relatividade.

Criado no seio de uma família numerosa, com sete irmãos e uma irmã, o japonês se casou em 1931 com uma mulher chamada Hatsuno, com quem teve cinco filhos.

O recorde do homem mais velho do mundo é de um japonês, Jiroemon Kimura, que morreu em 2013 aos 116 anos.

No entanto, a pessoa mais longeva da história foi a francesa Jeanne Louise Calment, que alcançou a idade de 122 anos e 164 dias e viveu entre 1857 e 1997. EFE