Chegada de 3 milhões de migrantes vai ajudar economia europeia

Três milhões de imigrantes devem chegar à Europa até 2017, fugindo da guerra e pobreza na Síria e em outras áreas de conflito

A chegada de 3 milhões de migrantes à União Europeia entre 2015 e 2017 poderá ter um impacto "leve, mas positivo", na economia do bloco, estimou nesta quinta-feira a Comissão Europeia, que previu um crescimento moderado da zona do euro em 2016 e 2017.

Trata-se da primeira avaliação econômica da Comissão sobre o impacto dos solicitantes de asilo na UE desde o agravamento da crise migratória.

"Quase três milhões de pessoas adicionais chegarão à UE no período", afirma a Comissão nas previsões econômicas de outono (hemisfério norte), nas quais considera que o fluxo ter uma impacto "leve mas positivo" na economia do bloco.

A Comissão prevê a chegada de um milhão de pessoas em 2015, 1,5 milhão em 2016 e meio milhão em 2017. Estas chegadas são traduzidas por um aumento da população do bloco de 0,4%, uma vez que as solicitações de asilo sejam aceitas.

"Existirá um impacto sobre o crescimento econômico que poderia ser leve, mas positivo para a UE em seu conjunto, e aumentar o PIB em entre 0,2% e 0,3% em 2017", afirmou o comissário europeu de Assuntos Econômicos, Pierre Moscovici, em uma entrevista coletiva.

A avaliação leva em consideração os gastos públicos adicionais, assim como o aporte da mão de obra adicional no mercado de trabalho, segundo Moscovici.

Em suas previsões, a Comissão prevê um crescimento moderado do PIB dos 19 membros da zona do euro.

Em 2016, de acordo com a Comissão, a economia crescerá 1,8% (1,9% nas previsões de maio) e 1,9% em 2017. A expansão deste ano seria de 1,6% (1,5% em maio), apoiada pelos baixos preços do petróleo, a política monetária acomodatícia e a relativa fraqueza do euro.

"As previsões econômicas mostram que a economia da zona do euro continua a sua recuperação moderada", disse o vice-presidente da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis, em um comunicado.

De acordo com Dombrovskis, "a zona do euro resistiu a fatores externos, tais como a desaceleração da economia mundial, o que é encorajador".

A queda da taxa de desemprego, ainda que lenta, deve continuar no bloco. Em 2016, Bruxelas estima que alcançará 10,6% (um décimo a mais que nas previsões de maio). Este ano, o desemprego se situa em 11%, e para 2017 a previsão é de 10,3%.

Quanto à inflação, a Comissão prevê um aumento dos preços de 1% em 2016 e 1,6% em 2017. Para este ano, a taxa seria de 0,1%, devido à queda acentuada dos preços do petróleo.

Para o bloco de 28 membros o crescimento deste ano será de 1,9%, em 2016 de 2,0% e em 2017 de 2,1%.

"A economia europeia está em um caminho de recuperação", estimou Moscovici, que detecta "grandes desafios" a serem superados, como a "falta de investimento", obstáculo ao emprego e crescimento, e os "elevados níveis da dívida pública e privada."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos