Cheiro de queimado: SP amanhece com céu enevoado e odor de fumaça

São Paulo amanheceu com camada de poluição e cheiro de queimado (Foto: Reprodução/TV Globo)
São Paulo amanheceu com camada de poluição e cheiro de queimado (Foto: Reprodução/TV Globo)

Moradores da cidade de São Paulo relatam que a cidade amanheceu com cheiro de queimado e, além disso, o céu estava coberto com nevoa cinza.

Segundo dados da Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo), divulgados pelo portal Uol, a qualidade de ar piorou em relação aos últimos dois dias: saiu de “bom” para “moderado” e “ruim”. A companhia ainda apura a situação na capital paulista.

Uma possível explicação para o cheiro de queimado e céu cinza em São Paulo são as queimadas que têm acontecido na Amazônia, somado ao tempo seco na cidade. O nevoeiro pode ter sido intensificado também pela poluição de carros e da indústria.

A Climatempo confirmou que a situação da região amazônica contribuiu para a condição do tempo em São Paulo. “A parte Sudeste e Sul do país tem registros de fumaça, oriundos das queimadas da Amazônia”, explicou a meteorologista Fabiene Casamento, ao Uol.

A agência meteorológica já havia informado que havia a previsão da chegada de fumaça a São Paulo e outros pontos do Brasil, devido às queimadas.

Recorde de queimadas

Mais um mês com um recorde triste na Amazônia: agosto teve 31.513 focos de queimadas na região, o pior número desde 2010. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (1) pelo Programa Queimadas, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Nos quatro anos da gestão do presidente Jair Bolsonaro (PL), o mês registrou mais de 28 mil focos, acima da média histórica, de 26 mil.

No dia 22 de agosto, a região teve o pior dia de queimadas em 15 anos: foram 3.358 focos. A situação alarmante foi notada pelo programa de monitoramento ambiental Copernicus, da União Europeia, que afirma que as queimadas estão afetando "seriamente" a qualidade do ar na América do Sul. O programa revelou imagens de satélite que mostram o aumento de monóxido de carbono na região entre os dias 20 e 24 de agosto.