Chelsea é o primeiro clube de futebol a adaptar treinamento ao ciclo menstrual das jogadoras

Sophie Gallagher, do The Independent
Jogadoras do Chelsea terão programas de treinamento e nutrição adaptados ao seu ciclo menstrual

O clube de futebol britânico Chelsea se tornou o primeiro do mundo a adaptar o cronograma de treinamento do seu time feminino aos ciclos menstruais das jogadoras para melhorar seu desempenho e reduzir as taxas de lesões.

A gerente de futebol Emma Hayes tem sido a força motriz por trás da iniciativa, depois de perceber que a energia e o humor das jogadoras são diretamente afetados por seu ciclo.

Emma Hayes, que viu a equipe chegar em segundo lugar na Women’s Super League (Superliga Feminina) nesta temporada, disse ao jornal "The Telegraph" que por muito tempo as equipes femininas foram treinadas da mesma maneira que seus colegas masculinos, o que significava que seu desempenho não estava sendo otimizado.

— Sou treinadora de mulheres em um setor onde as mulheres sempre foram tratadas como 'homens pequenos' — disse ela — A aplicação de qualquer coisa, desde reabilitação até força, condicionamento e tática, vem da base do que os homens fazem. O ponto de partida é que somos mulheres e, por fim, passamos por algo muito diferente dos homens mensalmente.

O novo regime vai adaptar programas de treinamento e nutrição para ajudar a controlar as flutuações de peso e energia ao longo do mês, além de reduzir a suscetibilidade a lesões nos tecidos moles, que estão ligadas a alterações hormonais.

As jogadoras foram incentivados a baixar o aplicativo FitrWoman, desenvolvido pela corredora internacional de cross-countryGeorgie Bruinvels, que permite registrar e monitorar as quatro fases de seu ciclo: menstruação, pré-ovulação, ovulação e período pré-menstrual.

Então, com o consentimento das jogadoras, essas informações são compartilhadas com o clube, que planeja seu treinamento.

Por exemplo, nas fases um e quatro (menstruação e pré-menstruação), Emma Hayes notou que a coordenação das mulheres é prejudicada e nas fases três e quatro (ovulação e pré-menstruação) é mais provável que elas ganhem peso à medida que desejam comidas calóricas e menos nutritivas. As mulheres também têm um risco maior de lesão inflamatória nas fases um e dois (menstruação e pré-ovulação), segundo a criadora do app, Georgie Bruinvels.

— O ciclo menstrual é um processo inflamatório e o excesso de inflamação pode resultar em uma lesão. Não se limita apenas aos altos níveis de estrogênio, mas acompanhar o ciclo também é muito importante em termos de risco de lesão óssea — explica.

A ideia de sincronizar o ciclo menstrual com o treinamento chegou à gerente, que sofre de endometriose (que o Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido descreve como uma condição crônica em que tecidos semelhantes ao revestimento do útero crescem em outros locais, como ovários ou trompas de falópio), durante a final da Copa da Inglaterra de 2016, contra o Arsenal.

Foi relatado que treinadores da equipe nacional dos Estados Unidos acompanharam os ciclos das jogadoras durante a Copa do Mundo na França, mas o Chelsea se tornou o primeiro time a fazer isso no treinamento diário.

— Essas jogadoras serão a primeira geração de mulheres que são bem educadas sobre seu ciclo menstrual e espalharão esse conhecimento o máximo que puderem. Esperamos que isso se torne uma cultura em todos os clubes de futebol do mundo — afirmou Emma.