Chelsea e Manchester City preparam retirada da Superliga, diz BBC

Simon Evans
·1 minuto de leitura
Torcedores do Chelsea protestam contra participação do clube na Superliga

Por Simon Evans

MANCHESTER, Inglaterra (Reuters) - Os clubes da Premier League Chelsea e Manchester City estariam preparando documentação para retirar-se da Superliga Europeia menos de 72 horas depois de concordarem em participar dela, em um grande revés para a nova proposta de competição.

Pouco antes de a BBC informar que os dois clubes ingleses estavam prestes a desistir da competição, a nova liga foi à Justiça na Espanha para impedir que autoridades do futebol frustrem seus planos.

Chelsea e City estão entre as 12 equipes que anunciaram no domingo a intenção de criar um campeonato rival para a Liga dos Campeões da Uefa sem a necessidade de uma qualificação anual.

O anúncio gerou uma onda de oposição dentro do esporte, do mundo político e da opinião pública, principalmente na Inglaterra.

A notícia de que o Chelsea, de propriedade do russo Roman Abramovich, estava tomando medidas para a deixar o plano, foi celebrada intensamente pelos torcedores do clube londrino, que protestaram do lado de fora da partida com portão fechado de seu time na Premier League contra o Brighton.

Chelsea, Manchester City e a organização da Superliga não responderam imediatamente a um pedido de comentário.

As informações sobre a desistência ocorreram logo após a Superliga ter vencido uma decisão preliminar de um tribunal de Madri para impedir a Uefa e a Fifa de impor sanções destinadas a impedir a nova formação.

A empresa criada para administrar a nova liga está sediada em Madri e o presidente do Real Madrid, Florentino Perez, é o primeiro presidente da liga.

De acordo com decisão jurídica vista pela Reuters, Fifa, Uefa e todas as suas federações associadas não devem adotar "qualquer medida que proíba, restrinja, limite ou condicione de qualquer forma" a criação da Superliga.