De Chico Buarque a Gretchen, candidatura de Edmilson Rodrigues (PSOL) em Belém atrai apoio de artistas estrelados

Rafael Galdo
·4 minuto de leitura
Divuligação/Câmara dos Deputados / Agência O Globo

Em Belém do Pará, capital onde a esquerda e o bolsonarismo se enfrentam no segundo turno, a candidatura de Edmilson Rodrigues (PSOL) tem atraído o apoio de um elenco estrelado nesta reta final antes do retorno às urnas. A lista de artistas que gravaram vídeos pedindo voto para o ex-prefeito inclui paraenses como Fafá de Belém, Gaby Amarantos e Dona Onete; nomes historicamente ligados a agendas progressistas, a exemplo de Chico Buarque e Caetano Veloso; além de outros famosos com projeção nacional, como a cantora e modelo Gretchen e o ator Marcelo Serrado, intérprete do ex-juiz e ex-ministro Sergio Moro no cinema.

Do outro lado da disputa, o Delegado Eguchi (Patriota) recebeu na semana passada a primeira manifestação pública do presidente Jair Bolsonaro a favor de um candidato no segundo turno. Foi de forma discreta, por meio de um comentário numa rede social. Mas, anteriormente, o candidato já publicava imagens do presidente, com a hashtag #fechadocombolsonaro.

Na campanha psolista, um manifesto de artistas de Belém tinha sido lançado ainda no primeiro turno. Agora, novos nomes se juntaram a essa rede. A gravação do vídeo de Chico Buarque, por exemplo, teria sido incentivada pela irmã do cantor e compositor, a ex-ministra da Cultura Ana Maria Buarque de Hollanda.

Já Fafá de Belém - considerada musa das Diretas Já, pelas participações nos protestos dos anos 1980 - declarou defender o candidato do PSOL porque ele tem "a cara da cidade". Enquanto Gaby Amarantos, nascida no bairro do Jurunas, um dos mais populosos da capital paraense, lembrou os mandatos anteriores de Edmilson, entre 1997 e 2004: "primeira vez que vi asfalto na periferia", disse ela.

Gretchen - que recentemente se casou em Belém, onde está morando - fez uma gravação ao lado do candidato. Nas imagens, ela também lembrou a eleição do filho, Thammy Miranda, como o nono vereador mais votado em São Paulo. Primeiro homem transexual eleito para a Câmara paulistana, Thammy é do PL, partido que, no primeiro turno belenense, integrou a coligação do terceiro colocado, Priante (MDB), que declarou-se neutro nesta segunda rodada. A cantora e modelo justificou porque escolheu Edmilson em sua nova cidade.

- Tenho que estar do lado de um candidato que respeita a diversidade - disse ela, cujo filho fez uma caminhada, na manhã desta segunda-feira, ao lado do candidato a reeleição Bruno Covas (PSDB), adversário do psolista Guilherme Boulos no segundo turno de São Paulo.

Outro a manifestar apoio explícito a Edmilson foi Marcelo Serrano, que nas eleições de 2018 se viu em meio a uma polêmica, após ter participado de manifestações pró-impeachment de Dilma Rousseff (PT) dois anos antes. No primeiro turno dessa última corrida presidencial, o ator declarou abertamente voto em Marina Silva (Rede). Mas, no segundo turno, foi vítima de uma fake news que o incluía numa lista de artistas que supostamente votaria em Bolsonaro. Desta vez, o intérprete de Sergio Moro em "Polícia Federal - A lei é para todos" não deixou dúvidas sobre seu apoio:

- Quero pedir o seu voto, para o pessoal de Belém do Pará, para Edmilson Rodrigues - afirmou.

Lideranças evangélicas

A atriz Lucélia Santos, o músico Chico César, a percussionista Lan Lanh, o cantor e compositor Felipe Cordeiro, a escritora Heliana Barriga e vários artistas locais e paraenses que atuam na cena alternativa do Rio e de São Paulo também enviaram depoimentos.

- A vitória de Edmilson em Belém é importante não apenas para a cidade e o Pará, mas para todo o Brasil. Importante para todos nós que defendemos um espaço da democracia e da valorização das diferenças - argumentou o paraibano Chico César.

A lista também tem políticos da esquerda, como o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ). E inclui lideranças evangélicas, entre elas o pastor Henrique Vieira, que chegou a ser cogitado como possível candidato do PSOL à prefeitura do Rio, e o pastor Ariovaldo Ramos, da Frente de Evangélicos pelo Estado de Direito.

Em Belém, segundo aponta a última pesquisa Ibope, divulgada no dia 21 de novembro, a disputa é apertada: Edmilson aparece com 45% das intenções de voto, contra 43% do Delegado Eguchi, os dois tecnicamente empatados dentro da margem de erro, que é de quatro pontos percentuais para mais ou para menos. É justamente entre os evangélicos, segundo o levantamento, que Eguchi tem um de seus melhores desempenhos, com 53%.