Chile aumenta idade mínima para vacina da AstraZeneca para 45 após relatos de coágulos sanguíneos

·1 minuto de leitura

SANTIAGO (Reuters) - O Ministério da Saúde do Chile anunciou nesta quinta-feira que irá aumentar a idade mínima entre homens que poderão receber a vacina da AstraZeneca de 18 para 45 anos de idade, até que as autoridades possam concluir uma investigação sobre um rapaz que teve um coágulo sanguíneo após sua primeira dose.

O Chile, que é um dos líderes mundiais na vacinação de seus cidadãos contra o vírus, recebeu suas primeiras doses da vacina da AstraZeneca-Universidade de Oxford em abril. As agência reguladoras do país aprovaram inicialmente o imunizante para homens com mais de 18 anos e para mulheres com mais de 45.

As autoridades disseram que um caso de trombose em um homem de 31 anos levou à mudança na idade mínima, classificada como uma "medida preventiva e pró-ativa".

A vacina da AstraZeneca, aprovada em dezenas de países com a exceção dos Estados Unidos, tem sido cada vez mais investigada após informações de coágulos sanguíneos extremamente raros, porém graves, em algumas pessoas que receberam o imunizante.

Investigadores chilenos disseram em abril que não encontraram ocorrências de coágulos sanguíneos entre os 2.200 participantes do estudo clínico da AstraZeneca no país sul-americano.

(Reportagem de Fabian Cambero)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos