Chile concretiza criação do maior parque marinho da América

(Arquivo) O chancer chileno, Heraldo Muñoz

O governo do Chile publicou nesta quarta-feira um decreto oficial que concretiza a criação do parque marinho Nazca-Desventuradas, localizado no oceano Pacífico a 892 km da costa chilena, que protegerá uma área de mais de 300.000 km2, o que o converte no maior da América.

O parque protegerá o rico ecossistema dessa zona, onde 90% das espécies marinhas são endêmicas, e onde há abundantes florestas de algas e corais frágeis que se estendem em volta das ilhas San Félix e San Ambrosio.

A nova área protegida passa a constituir uma zona de não extração na qual a pesca é proibida.

"Somos um país oceânico e às vezes parece que vivemos de costas para o mar. Temos a responsabilidade de conservar e utilizar de maneira sustentável o oceano para as presentes e futuras gerações, além da obrigação internacional de preservar o oceano, que contribui para o controle das mudanças climáticas", afirmou Heraldo Muñoz, chanceler do Chile.

Com a criação do Nazca-Desventuradas, o Chile não só abrigará o maior parque marinho da América, senão que também protegerá 12% da sua superfície marinha, o que representa um aumento de 4,4%, onde se encontram espécies como enormes atuns, peixes olho-de-boi e tubarões de águas profundas, além de lagostas de grande tamanho, segundo um comunicado da organização de conservação marinha Oceana.

"Em uma época onde os oceanos sofrem com a superexploração de espécies, poluição e fenômenos como as mudanças climáticas, a proteção destas ilhas significa um grande passo para os mares do Chile e do mundo", comemorou Liesbeth van der Meer, diretora-executiva da Oceana.

A criação do parque foi anunciada em outubro passado pela presidente chilena, Michelle Bachelet, durante a conferência internacional Nosso Oceano, realizada em Valparaíso, depois de que um grupo de cientistas explorou a zona pela primeira vez em 2013 e descobriu sua incrível biodiversidade.

O cuidado e a fiscalização do parque estará a cargo do Serviço Nacional de Pesca e Aquicultura (Sernapesca) e da Armada (Marinha) do Chile.

Dentro da sua política oceânica, o Chile também está trabalhando na criação de uma área de conservação marinha na Ilha de Páscoa e na adoção de medidas para combater a pesca ilegal.