Chile decide em plebiscito entre uma sociedade liberal ou mais solidária

O Chile decide neste domingo (4) se aprova uma nova Constituição para substituir a vigente desde a ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990), que apesar de reformada durante a democracia, sobrepõe leis de mercado sobre a educação, saúde e aposentadoria além de limitar intervenções do Estado.

Anadriel Hernández (18) e Tomás Ortega (19) vão votar pela primeira vez. Ortega vai optar pela rejeição porque discorda "da eliminação do Senado" e entende a proposta como "quase separatista em relação aos indígenas".

Convencida pela aprovação, Hernández acredita que "a nova Constituição é um grande passo para começar a mudar a forma como o país é governado".

Ambos consideram importantes as reformas no meio ambiente, educação e saúde, mas para Ortega o texto foi muito longe em algumas pontos e se absteve em outros.

O texto submetido ao voto de mais de 15 milhões de pessoas foi escrito durante um ano por uma assembleia eleita com paridade e inclusão de indígenas.

Com tom progressista, foi elogiado por economistas como Thomas Piketty e Mariana Mazzucato, filósofos reconhecidos internacionalmente, mas polarizou a elite política, muito desacreditada nas ruas.

- "Revolução na participação" -

As pequisas divulgadas até 20 de agosto, sem exceção, apontam para uma vitória de sua rejeição.

Nas ruas, a campanha pelo voto negativo não mobilizou seus partidários. Ao contrário, entusiastas da aprovação convocaram multidões em festas de bairro e praças do país.

"Com a aproximação do dia do plebiscito, se confirmam dados de que haverá um grande número de eleitores", explicou à AFP a cientista política Claudia Heiss, da Universidade do Chile.

Será a primeira eleição com voto obrigatório em uma década em um país com altas taxas de abstenção nas últimas consultas.

O instituto Criteria indicou nas últimas horas que 84% (12,6 milhões) dos eleitores tinham intenção de comparecer às urnas, o que pode significar uma "revolução na participação".

O último levantamento sobre o texto realizado pelo Criteria indicou que 42% dos entrevistados reprova seu conteúdo, segundo o que ouviu falar ou leu. Cerca de 28% o aprova, ainda que o considere mediano, e 26% o considera excepcional.

Seus defensores acreditam que a nova Carta é capaz de mudar um país outrora conservador e com evidentes divisões sociais étnicas e econômicas. Eles também consideram que as novas regras são a base para um Chile mais igualitário.

Já seus detratores temem que estas mudanças podem levar o Chile para o abismo.

pb/pa/ltl/jc