Chile esclarece que seu plano de vacinação contra covid-19 inclui estrangeiros irregulares

·1 minuto de leitura
Trabalhador sanitário aplica dose da CoronaVac, do laboratório chinês Sinovac, em um idoso em um centro de vacinação montado no Estádio Bicentenário do Chile, em 3 de fevereiro de 2021

As autoridades de saúde do Chile esclareceram, nesta quinta-feira (11), que a imunização contra o coronavírus inclui estrangeiros irregulares que estejam no país, em meio às críticas geradas pela alteração no protocolo para evitar o "turismo de vacinas".

A subsecretária de Saúde, Paula Daza, explicou que "todas as pessoas que estiverem no Chile em diferentes situações de residência - pessoas que estão em processo de tirar o visto ou de normalização - e que vivem no Chile, têm direito à vacina".

"O que não queremos é que isso se transforme em um turismo de vacina", acrescentou a autoridade de saúde, repetindo um conceito definido por um programa de televisão no Peru.

Na quarta-feira, após a divulgação no Chile de uma reportagem de uma rede de televisão peruana que explicava que por cerca de 1.000 dólares seria possível viajar ao Chile, hospedar-se e receber a vacina gratuitamente, o governo anunciou a alteração do critério de imunização para estrangeiros.

Desde 3 de fevereiro, o Chile vacinou com ao menos uma dose quase 1,4 milhão de pessoas.

A meta do governo é vacinar cinco milhões de pessoas antes do final de março e chegar a 15 dos quase 19 milhões de habitantes do país até o final de junho.

pa/pb/rs/aa