Chile lança fórum sobre energia limpa em pleno debate sobre exploração de matérias-primas

·3 minuto de leitura
(ARQUIVOS) Neste arquivo foto tirada em 06 de junho de 2019, vista do Parque Eólico de Canela, instalado pela concessionária de energia elétrica espanhola Endesa como parte de um projeto com o governo chileno em Los Vilos

O Chile patrocina esta semana o fórum internacional sobre energia limpa CEM12/MI-6, um dos eventos mais importantes em inovação, que abordará uma série de reflexões ligadas ao debate atual no país, grande produtor de cobre e lítio.

Até 6 de junho, esta reunião de cúpula virtual, que tem a pandemia como pano de fundo, reunirá ministros da Energia, empresários, economistas, líderes na luta contra as mudanças climáticas e líderes mundiais, incluindo o secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, e o criador da Microsoft, Bill Gates.

O fórum é a ocasião ideal para colocar em prática as resoluções assinadas nos Acordos de Mudança Climática de Paris, em 2015, disse à AFP o ministro da Energia do Chile, Juan Carlos Jobet. “Em termos de mudança climática, muitos assumiram compromissos gradativamente, o que é muito bom, mas já temos que traduzir isso em ações e começar a ver os resultados”, ressaltou o ministro chileno.

As previsões indicam que, embora as emissões de gases do efeito estufa no mundo tenham diminuído neste ano, principalmente devido às restrições impostas pela pandemia, quando a economia se reativar, "as emissões irão se recuperar fortemente", disse Jobet.

A cúpula acontece no momento em que o Chile - maior produtor mundial de cobre - caminha para a instalação de uma Convenção Constitucional que redigirá uma nova constituição, em busca de maior bem-estar social e para estabelecer um novo modelo de desenvolvimento econômico.

Desde os protestos de outubro de 2019, a população reivindica um Estado mais forte na regulamentação das empresas que exploram os recursos naturais e e conversão da água em um bem público, de distribuição privada desde a ditadura de Augusto Pinochet.

- Hidrogênio verde e mais -

O fórum no Chile é patrocinado pela Clean Energy Ministerial (CEM), órgão criado em 2009, após a assinatura da convenção das Nações Unidas sobre mudanças climáticas, para reunir os ministros da Energia das maiores economias do mundo a fim de desenvolver tecnologias de energia limpa, juntamente com a Mission Innovation (MI), que reúne governos para acordar processos destinados a acelerar a inovação nesse tipo de energia.

Patrick Child, diretor da MI, explicou à AFP que os 24 países membros da organização "representam 90% do investimento global em inovação de energias limpas" e, juntos, tentam encontrar "soluções que os tornem acessíveis e disponíveis para todas essas energias".

Nos fóruns e apresentações esperados durante a semana, há três temas centrais: hidrogênio verde como combustível do futuro em detrimento dos combustíveis fósseis (promovido por Austrália, Chile, Reino Unido e União Europeia); renovação de fontes de energia no setor industrial (Reino Unido, Itália e China); e transporte marítimo com emissão zero de gases do efeito estufa (Dinamarca, Noruega e Estados Unidos).

"Essa reunião ministerial é, provavelmente, a mais importante deste ano, reunindo ministros de energia em tecnologias de energia limpa", disse Child.

- Todos em um -

Para Dan Dorner, chefe do secretariado da CEM, a mescla que será formada nos dias de debate entre atores públicos e privados é a única forma de “atingir os objetivos climáticos” assinados em Paris, de reduzir as emissões de gases do efeito estufa e manter o aumento da temperatura do planeta abaixo de 2 graus Celsius.

"(Temos que) melhorar nada menos do que a maior transição energética da história da humanidade, e precisamos conseguir isso nos próximos 30 anos", disse Dorner à AFP.

Paralelamente, após a paralisação forçada pela pandemia, as negociações climáticas da ONU serão retomadas nesta segunda-feira, seis meses antes da COP26, decisiva para atuar contra o aquecimento.

apg/pb/pa/ll/ap/lb