Chile reabre sua fronteira aérea a turistas depois de oito meses

·2 minuto de leitura
Autoridades sanitárias controlam a temperatura corporal de passageiros chilenos repatriados em sua chegada ao Aeroporto Internacional de Santiago, em 8 de maio de 2020
Autoridades sanitárias controlam a temperatura corporal de passageiros chilenos repatriados em sua chegada ao Aeroporto Internacional de Santiago, em 8 de maio de 2020

O Chile anunciou nesta sexta-feira (13) a reabertura de sua fronteira ao exterior, fechada desde meados de março em decorrência da pandemia, por meio de apenas um ponto de entrada no país: o Aeroporto Internacional de Santiago.

Os meios de entrada terrestres e marítimos permanecerão fechados até novo aviso. Para a entrada no Chile, serão solicitados como requisitos exclusivos uma declaração juramentada e um teste PCR (swab) negativo feito até 72 horas do embarque para o país.

"A abertura será gradual e segura", disse a ministra dos Transportes, Gloria Hutt, ao lançar o protocolo de abertura no aeroporto de Santiago.

A fronteira está fechada desde 18 de março, após o estabelecimento do estado de emergência por causa do novo coronavírus, que no Chile já infectou mais de 526.000 pessoas e causou a morte de mais de 14.600 cidadãos.

A reabertura das fronteiras, a partir desta sexta-feira, era uma notícia esperada pela indústria do turismo, fortemente atingida pela pandemia. O ministro da Economia, Lucas Palacios, afirmou esperar que cerca de 300.000 turistas visitem o Chile nos meses de verão.

No entanto, O Colégio Médico chileno expressou preocupação com a decisão.

"É uma medida imprudente. É difícil rastrear turistas, ainda estamos fazendo a rastreabilidade e devemos nos preparar para conter o surto, não promovê-lo", criticou Izkia Siches, presidente do Colégio Médico.

Por quatro meses, o número de infectados por coronavírus permaneceram estáveis no Chile, com uma média de cerca de 1.500 casos por dia.

Na região metropolitana, onde vivem 7,1 dos 18 milhões de habitantes do país, as medidas de confinamento foram suspensas semanas atrás, o que permitiu a reabertura de grandes lojas, academias e restaurantes que devem obedecer aos critérios de lotação.

Mas em várias cidades do sul, o número de casos ainda permanece alto, portanto, as quarentenas foram aplicadas novamente.

pa/ll/bn