Chile vê aumento de 60% nos casos e decreta 'lockdown' em Santiago

SYLVIA COLOMBO

BUENOS AIRES, ARGENTINA (FOLHAPRESS) - O governo do Chile decidiu decretar, nesta quarta-feira (13), uma quarentena obrigatória em Santiago e mais seis municípios que compõem a região metropolitana devido a um aumento de 60% de casos novos nas últimas 24 horas. A medida afetará 8 milhões de pessoas (42% dos chilenos).

O Chile vinha realizando uma quarentena "seletiva", sem interromper algumas áreas da indústria e do comércio. E o governo estava se preparando para uma reabertura total de sua economia.

"Nós flexibilizamos a quarentena, e agora estamos sendo obrigados a retroceder", disse o prefeito de Santiago, Felipe Alessandri. A medida começará a valer a partir da próxima sexta-feira (15).

O país tem, agora, 34.381 casos confirmados e 347 mortes - sendo 12 nas últimas 24 horas.

Enquanto isso, a bolsa do país despencou. O principal índice da bolsa chilena, que agrupa as 30 ações mais relevantes, caiu 4,74%, afetando mais fortemente a companhia aérea Latam e construtoras.

O país precisou pedir uma linha de crédito ao FMI (Fundo Monetário Internacional) de US$ 23,8 milhões (R$ 140,5 milhões), por conta da pandemia. Até 17h desta quarta, ainda não havia uma resposta.

As novas medidas na capital significam "um sacrifício, com efeitos adversos muito importantes", segundo o ministro de saúde, Jaime Mañalich. "Temos que suplicar, pedir que se tomem todas as medidas necessárias, e que a população leve isso a sério. A batalha por Santiago é a batalha crucial na guerra contra o coronavírus."

Mañalich afirmou que Santiago já está com 87% dos leitos de UTI ocupados e que a medida pode evitar o colapso do sistema de saúde.

Também haverá quarentena obrigatória em Iquique, Tarapacá e Valparaíso.

A oposição ao governo de Sebastián Piñera, por outro lado, vem insistindo no aumento do valor do Ingresso Familiar de Emergência - uma ajuda aos mais pobres para efrentar a pandemia. O ministro da Fazenda, Ignacio Briones, porém, respondeu dizendo "não é possível queimar todos os cartuchos agora", sinalizando que não haverá reforço de renda por enquanto.

Depois de críticas recebidas internamente e de organismos internacionais, o país desistiu também de emitir os chamados "carnês Covid-19", que seriam entregues a recuperados da doença como um sinal de que poderiam estar imunes.

A medida foi vista como algo que poderia gerar discriminação. O governo cedeu. "Pode fazer com que uma pessoa com o carnê tenha determinados privilégios no trabalho", explicou Mañalich.

Nosso objetivo é criar um local seguro e atraente para os usuários se conectarem a interesses e paixões. Para melhorar a experiência de nossa comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários dos artigos.