China aumenta subsídio de energia renovável em quase 5% para 2021

·2 minuto de leitura
Funcionários caminham em estação de energia solar em Tongchuan, na província chinesa de Shaanxi
Funcionários caminham em estação de energia solar em Tongchuan, na província chinesa de Shaanxi

(Reuters) - O Ministério das Finanças da China disse nesta sexta-feira que estabeleceu o subsídio de energia renovável do país para 2021 em 5,95 bilhões de iuanes, um acréscimo de 4,9% em relação a este ano, graças a um grande aumento na alocação de projetos solares.

O subsídio se destinará a fazendas eólicas, geradores de energia de biomassa e operadores de energia solar distribuída, além de projetos solares para propósitos de alívio da pobreza, em 14 regiões chinesas, de acordo com um comunicado da Plataforma Pública Central de Orçamento e Contas Finais.

Neste ano, a China, a maior consumidora de energia do mundo, reduziu o subsídio em cerca de 30% em reação ao ano anterior visando suspender o financiamento de grandes produtores de eletricidade de fontes renováveis para fazê-los competir com instalações movidas a carvão e chegar a uma paridade de preços na rede elétrica.

Mas um grande aumento de novas instalações --em um cenário de queda acentuada nos custos de fabricação de componentes de energia renovável-- deixou o Ministério das Finanças com um acúmulo de subsídio que se acredita que chegará a até 300 bilhões de iuanes até o final de 2020.

Os operadores de fazendas eólicas e os geradores de biomassa viram seu subsídio geral para 2021 diminuir em 24,3% e 18,5% na comparação anual, respectivamente, ou em 2,31 bilhões de iuanes e 59,78 milhões de iuanes.

Mas o total de subsídios para projetos solares foi estabelecido em 3,38 bilhões de iuanes, um aumento de 56,8% em relação a este ano.

A China almeja atingir um pico de emissões de dióxido de carbono até 2030 e alcançar a neutralidade de carbono antes de 2060.

(Por Tom Daly e Muyu Xu)

((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447759)) REUTERS ES