China censura críticas da OMS sobre política "covid zero"

Fila para teste de covid-19 em Pequim (AFP/Noel Celis) (Noel Celis)

A China censurou nesta quarta-feira (11) as críticas do diretor geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) à política de "covid zero" aplicada pelo governo comunista e o porta-voz do ministério das Relações Exteriores considerou as declarações irresponsáveis.

O país asiático enfrenta um surto epidêmico e impõe confinamentos e quarentenas quando detecta poucos casos.

As medidas, somadas a um quase fechamento das fronteiras e conexões aéreas internacionais reduzidas, estão aumentando a irritação na China.

Este é o caso de Xangai, cidade de 25 milhões de habitantes, onde o confinamento desde o início de abril foi marcado por problemas de fornecimento de alimentos. Os moradores também temem ser enviados à força para centros de isolamento.

O diretor da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, declarou na terça-feira que a política "covid zero" é "insustentável", o que representa críticas incomuns a China.

"Passar a outra estratégia será muito importante", acrescentou.

Esta medida é defendida com veemência pelos principais líderes comunistas, incluindo o presidente Xi Jinping.

Os censores atuaram de maneira rápida para frear a propagação das afirmações do diretor da OMS.

Na plataforma Weibo, as hashtags #Tedros e #OMS não apresentavam resultados nesta quarta-feira.

Na rede social WeChat não era possível republicar ou transferir um artigo da conta oficial da ONU, publicado nesta plataforma e que menciona as críticas o diretor da OMS.

No entanto, era possível discutir o assunto online com um de seus contatos ou postar capturas de tela dos artigos em seu feed do WeChat.

Questionado sobre as declarações do diretor da OMS, o porta-voz do ministério chinês das Relações Exteriores, Zhao Lijian, declarou que a medida da China é "científica e eficaz".

"Esperamos que determinadas pessoas tenham um olhar objetivo e racional sobre a política chinesa de prevenção e controle da epidemia, que tenham um conhecimento melhor da realidade e se abstenham de fazer declarações irresponsáveis".

Por sua vez, a imprensa chinesa não comentou o assunto.

Hu Xijin, ex-diretor de redação do tabloide nacionalista Global Times, considerou as críticas da OMS "sem importância".

"Se dizem que o método chinês não é sustentável, teriam que apresentar um que seja mais eficaz e sustentável. Mas não apresentam nenhum", afirmou em sua conta no Weibo, que tem 24 milhões de seguidores.

ehl-mjw/bar/lch/es/zm/fp

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos