China cria plano ousado para cultivar novos alimentos no espaço

China aposta em pesquisas no espaço para otimizar alimentos (Getty Image)
China aposta em pesquisas no espaço para otimizar alimentos (Getty Image)
  • China investe em pesquisas desta área desde os anos 80

  • Sementes desenvolvidas no espaço podem apresentar mutações

  • Experimentos criaram diferentes derivações de alimentos

O que fazer quando não for mais possível inovar no avanço da produção de comidas neste planeta? Para a China, a solução pode estar há milhares de anos luz de distância.

O país já lançou milhares de sementes ao espaço a bordo de espaçonaves pensando desenvolver safras novas e melhores. Elas são de uma ramificação chamada Luyuan 502, considerado o segundo tipo de trigo mais cultivado no país.

“A mutagênese espacial gera belas mutações”, explicou Liu Luxiang, o principal especialista em mutagênese espacial da China e diretor do Centro Nacional de Mutagênese Espacial para Aprimoramento da Produção Agrícola do Instituto de Ciências da Produção da Academia Chinesa de Ciências Agrícolas à BBC.

"A Luyuan 502) é uma história real de sucesso. Ela tem um potencial muito grande de produção e adaptabilidade. Pode ser cultivada em muitas áreas diferentes, sob condições distintas. Podemos usar satélites recuperáveis, plataformas em grande altitude e também espaçonaves tripuladas para mandar nossas sementes para o espaço até duas vezes por ano”, ressaltou.

Em ambiente único com baixa gravidade que fica fora do campo magnético protetor da Terra, as sementes sofreram mudanças sutis no DNA, o que fornecem novas qualidades, aumentando a tolerância à seca e reforçando a resistência a certas doenças.

Mesmo que algumas das mutações deixem as plantas incapazes de crescer, algumas outras podem ser vantajosas, como as que se tornam mais rígidas e capazes de suportar condições extremas de crescimento. Também há registos de algumas que produzem mais alimento com uma única planta, crescem com mais rapidez ou precisam de menos água.

Ao longo da história, a China vem realizando experiências com a mutagênese espacial desde 1987. Atualmente, ainda é o único país do mundo que usa essa técnica de forma consistente.