China defende laços culturais com Japão em meio a fúria nacionalista virtual

·1 minuto de leitura

Por Yew Lun Tian

PEQUIM (Reuters) - O Ministério das Relações Exteriores da China defendeu o valor de intercâmbios culturais com o Japão nesta quarta-feira depois que intelectuais chineses sofreram críticas duras de nacionalistas na internet por participarem de eventos patrocinados pelo governo do Japão no decorrer de muitos anos.

O tom ameno da chancelaria contrastou com a "diplomacia do lobo guerreiro" linha-dura que a pasta prefere com frequência em temas internacionais, especialmente aqueles referentes ao Japão, cuja ocupação brutal da China em tempos de guerra é uma das causas de queixa dos nacionalistas chineses.

Alguns acadêmicos e escritores chineses proeminentes foram atacados na semana passada depois que internautas nacionalistas perceberam seus nomes em uma lista de 144 intelectuais chineses que receberam patrocínio da Fundação Japão para visitar o vizinho asiático entre 2008 e 2016.

Os internautas, que operam com os pseudônimos Diguaxiong Laoliu e Guyan Muchan, cada um com mais de seis milhões de seguidores no Weibo, um equivalente local do Twitter, acusaram os intelectuais de cortejarem favores do Japão para obter ganhos financeiros.

Eles se uniram a uma campanha virtual de "nomear e constranger" para rotular os intelectuais de traidores.

Indagado sobre a polêmica em uma coletiva de imprensa de rotina nesta quarta-feira, o porta-voz da chancelaria chinesa, Wang Wenbin, disse que a interação interpessoal apoiada pelo governo contribuiu positivamente para as relações entre China e Japão.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos