China diz que EUA comprometeram paz com sobrevoo no Estreito de Taiwan

Bandeiras de Taiwan na sede do Ministério de Defesa Nacional de Taiwan, em Taipé

PEQUIM/TAIPÉ (Reuters) - A China acusou os Estados Unidos de "colocarem em risco" a paz e a estabilidade no Estreito de Taiwan depois que um avião militar de reconhecimento e patrulha marítima P-8A Poseidon dos EUA sobrevoou a região nesta segunda-feira.

Pequim fica furiosa com as missões militares dos EUA através do estreito, mais frequentemente de navios de guerra, mas ocasionalmente de aeronaves, dizendo que a China "tem soberania, direitos soberanos e jurisdição" sobre o canal. Taiwan e os Estados Unidos contestam ao afirmarem que é uma via navegável internacional.

O Comando do Teatro Oriental do Exército Popular de Libertação da China disse que suas forças monitoraram de perto a aeronave, que também é usada para missões antissubmarino, enquanto voava pelo estreito que separa a China de Taiwan.

"As ações do lado dos EUA interferiram e perturbaram deliberadamente a situação regional e colocaram em risco a paz e a estabilidade no Estreito de Taiwan. Nós nos opomos firmemente a isso", afirmou em um breve comunicado.

"As forças do teatro permanecem em alerta máximo o tempo todo e defendem resolutamente a soberania nacional e a integridade territorial."

O Pentágono não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Os Estados Unidos disseram anteriormente que tais missões mostram o compromisso norte-americano com um Indo-Pacífico livre e aberto.

O Ministério da Defesa de Taiwan, em seu breve comunicado, afirmou que a aeronave voou na direção sul através do estreito.

(Reportagem da Redação de Pequim e Ben Blanchard)