China impõe medidas de represália a quatro meios de comunicação americanos

Logotipo do canal americano em sua sede em Nova York

A China anunciou nesta quarta-feira a adoção de represálias contra meios de comunicação americanos presentes nos países asiáticos, após medidas similares aplicadas pelos Estados Unidos contra órgãos de imprensa chineses.

As agências Associated Press (AP) e United Press International (UPI), o canal CBS e a rádio NPR terão que apresentar nos próximos sete dias informações detalhadas de seus funcionários, seu bens imobiliários e de suas operações financeiras na China, anunciou o porta-voz da diplomacia chinesa, Zhao Lijian.

"São represálias completamente necessárias contra a repressão irracional (da administração americana) contra a imprensa chinesa nos Estados Unidos", completou o porta-voz em uma entrevista coletiva.

O governo americano anunciou em 22 de junho que a China Central Television, a China News Service e os jornais People's Daily e Global Times seriam considerados "missões diplomáticas estrangeiras", ao invés de meios de comunicação nos Estados Unidos.

Estas empresas se unem a outras cinco, também de origem chinesas, que foram reclassificadas da mesma maneira em fevereiro.

Com a mudança de status, estas organizações precisam apresentar de maneira detalhada a lista de funcionários nos Estados Unidos e também as transações imobiliárias ao Departamento de Estado americano.