China inaugura seu terceiro porta-aviões com tecnologia de ponta; vídeo

A marinha chinesa inaugurou, em Xangai, nesta sexta-feira, o porta-aviões Fujian, o mais avançado de sua armada e que estava em construção desde 2018. Com a nova embarcação, a China se tornou o segundo país com o maior número de porta-aviões, perdendo apenas para os Estados Unidos, que tem 11 deles a disposição. A China tem ainda um porta-helicópteros, enquanto os EUA, 9.

O governo chinês planeja ter 6 porta-aviões até 2035, como parte dos esforços para o fortalecimento da marinha do país.

Guerra na Ucrânia: Xi garante a Putin o apoio da China em segurança e soberania

Covid-19: China suspende lockdown após dois meses em Xangai

A inauguração do porta-aviões aconteceu em uma cerimônia transmitida pela televisão chinesa em um porto de Xangai. O Fujian foi o segundo porta-aviões do país construído em território chinês.

O Fujian é o primeiro da frota chinesa a usar um sistema de "catapulta eletromagnética" para lançar aviões de seu deque. A tecnologia, mais econômica e eficiente, permite que aviões decolem no espaço reduzido da pista de um porta-aviões e já era usada em embarcações americanas.

O Fujian deve ainda passar por testes em seus sistemas de navegação e só deverá estar pronto para combate dentro de cinco anos. Veja abaixo um vídeo da cerimônia de inauguração do navio:

— Este é um passo bastante significativo. Eles realmente se comprometeram a construir um programa de porta-aviões e continuam a ultrapassar os limites do que são capazes de fazer. — disse Matthew Funaiole, do Centro Para Estudos Estrátegicos e Internacionais, ao canal de televisão CNN.

Os porta-aviões chineses são batizados com nomes de províncias costeiras do país, como Liaoning e Shandong. Fujian é a província mais próxima de Taiwan.

— Há poucas informações em relação ao Fujian e, por falar nisso, ao programa de porta-aviões como um todo. As capacidades exatas e seu desempenho são envoltos em muito sigilo — disse Collin Koh, especialista nas Forças Armadas chinesas da Escola de Relações Internacionais S. Rajaratnam, em Singapura, ao Washington Post.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos