China inicia afrouxamento de restrições contra Covid-19 e temores pelo vírus aumentam

Pessoas usam máscaras em Xangai

Por Brenda Goh e Ella Cao

PEQUIM/XANGAI (Reuters) - Enquanto muitos chineses celebravam as novas liberdades nesta quinta-feira, depois que o país se desfez de medidas importantes de sua rígida política sanitária contra a Covid-19, havia uma preocupação crescente de que o vírus, que em grande parte foi mantido sob controle, possa se espalhar em breve.

Três anos após o início da pandemia, muitos na China estavam ansiosos para que Pequim começasse a alinhar suas rígidas medidas de prevenção do vírus com o resto do mundo, que se reabriu amplamente em um esforço para conviver com a doença.

Essas frustrações se transformaram em protestos generalizados no mês passado, a maior demonstração de descontentamento público desde que o presidente Xi Jinping chegou ao poder em 2012.

Sem dizer se era uma resposta a esses protestos, algumas cidades e regiões começaram a afrouxar as restrições contra a Covid-19, em ações que antecederam uma flexibilização nacional com novas regras divulgadas pela Comissão Nacional de Saúde (NHC) na quarta-feira.

O NHC disse que as pessoas infectadas com sintomas leves agora podem ficar em quarentena em casa e eliminou a necessidade de testes e verificações de estado de saúde em aplicativos móveis para uma variedade de atividades, incluindo viagens pelo país.

As vendas de ingressos para pontos turísticos e de lazer dispararam no país, de acordo com a imprensa estatal, enquanto algumas pessoas foram às redes sociais para revelar que haviam testado positivo para o vírus, algo que anteriormente carregava forte estigma na China.

Outros expressaram cautela.

"Eu sei que a Covid não é tão 'horripilante' agora, mas ainda é contagiosa e vai doer", disse uma publicação na plataforma Weibo. "O medo trazido ao nosso coração não pode ser facilmente dissipado."

A China relatou 21.439 novas infecções locais por Covid-19 em 7 de dezembro, um pouco abaixo do dia anterior e menor que o pico de 40.052 casos em 27 de novembro.

Alguns analistas e especialistas médicos dizem que a China está mal preparada para um grande aumento de infecções, em parte devido às baixas taxas de vacinação entre os vulneráveis e seu sistema de saúde frágil.

Feng Zijian, ex-funcionário do Centro de Controle de Doenças da China, disse ao China Youth Daily que até 60% da população da China pode ser infectada na primeira onda em grande escala antes de se estabilizar.

"Em última análise, cerca de 80% a 90% das pessoas serão infectadas", disse ele.

O país deve enfrentar um surto em grande escala nos próximos um a dois meses, informou a revista estatal China Newsweek nesta quinta-feira, citando especialistas em saúde.

(Reportagem de Ella Cao, Bernard Orr, Ryan Woo e Albee Zhang e redação de Pequim e Brenda Goh em Xangai)