China prolonga exercícios militares de perto de Taiwan

China continua os exercícios militares perto de Taiwan, apesar dos apelos internacionais.

Os exercícios de "fogo real" em torno de Taiwan tiveram início na quinta-feira, após a saída da presidente da Câmara dos Representantes norte-americana, Nancy Pelosi, e deviam de ter terminado no domingo.

"A Austrália continua a insistir no reduzir da escalada. Isto não é algo que apenas a Austrália esteja a pedir, toda a região está preocupada com a situação atual, toda a região está a pedir a restauração da estabilidade," afirmou a ministra dos Negócios Estrangeiros australiana, Penny Wong.

"Há uma espécie de assertividade crescente da China, não só nesta parte do mundo, mas também a nível global. A China está também muito atenta ao que está a acontecer na Europa, ao que está a acontecer na Ucrânia. (Por isso) É muito importante que trabalhemos em conjunto e que enviemos o mesmo tipo de mensagem sobre a necessidade de ter contenção, de não exagerar nas suas acções e de não criar outro ponto de fricção regional e global," declarou o ministro dos Negócios Estrangeiros letão, Edgars Rinkevics.

Os militares chineses anunciaram esta segunda-feira que vão continuar os exercícios perto de Taiwan, em protesto contra a visita de Nancy Pelosi à ilha reclamada por Pequim.